quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Alunos da Unesp Bauru se reúnem com reitor

No último dia primeiro de agosto, o reitor da Unesp, Marcos Macari, reuniu-se exclusivamente com estudantes do campus de Bauru para discutir o aumento de bolsas alimentação e a construção dos blocos da moradia estudantil na cidade.

Os recursos para as bolsas e para a construção da moradia totalizam 4 milhões de reais. Segundo Macari, se a emenda que tramita no Senado Federal for aprovada ainda em 2007 (o que disponibilizará 14 milhões a mais para a Unesp), as obras em Bauru começam neste ano. Caso contrário, Macari submeterá a construção da moradia à aprovação no Conselho Universitário (significando início das obras apenas em 2008).

Os alunos informaram que o reitor reclamou da falta de representação estudantil nos órgãos colegiados. Os estudantes falaram sobre a realização do Congresso Estudantil que irá eleger a nova chapa do Diretório Central dos Estudantes (DCE). O Congresso ocorre nos dias 28,29 e 30 de setembro, em Bauru.

Foi pedida ao reitor uma ajuda financeira para as entidades estudantis de Bauru. Macari solicitou que os estudantes enviem um projeto para a reitoria para que ele verifique quanto será possível liberar.

Estiveram presentes, além do reitor, os estudantes Luiz Augusto e Murilo (Dadica), Silvio e Marília (Dacel), Alexandre, Celso e Fuinha (Dafae).

Congresso
As discussões sobre o Congresso, ocorrem na segunda-feira, dia 20/08, na reunião do CEEUB, no prédio dos centros e diretórios acadêmicos, às 17h30.

4 comentários:

Luiz Augusto disse...

Só uma retificação. Não foi o Fuinha, foi o Feio (Luiz Augusto Peres) pelo Dafae e, além do Sílvio e da Marilia, também foi a Dani de matemática pela FC. O Reitor, disse ainda que os recursos poderiam vir da Vunesp, o que não dependeria de aprovação no C.O.

Turollo disse...

Bacana, pessoal.
A questão da ajuda financeira da reitoria deve ser bem discutida.
Quanto à moradia e às bolsas, estamos avançando muito.

Turollo disse...

Pessoal,
achei que seria interessante divulgar aqui a matéria publicada semana passada na Folha.



SÃO PAULO - Depois de uma breve e polêmica passagem pelo governo estadual de São Paulo, o secretário de Ensino Superior, José Aristodemo Pinotti, pediu demissão ontem do cargo. Amigo próximo do governador José Serra (PSDB), o médico e integrante do DEM, gerou divergências desde seu primeiro dia de governo, ao formular decretos que, segundo professores universitários e estudantes, feria a autonomia das universidades paulistas. Em seu lugar, ficará Carlos Vogt, presidente do Conselho Superior da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

Pinotti alegou motivos " pessoais e relevantes " e não quis se pronunciar sobre sua saída. Pediu apenas para que sua assessoria divulgasse que o governador respondeu ao pedido de demissão por meio de uma carta e que lhe disse: " Insisti que permanecesse no cargo, face à sua impecável lealdade de conduta em todos os momentos " , escreveu Serra.

A gestão de secretário foi marcada por divergências com reitores de universidades, estudantes e professores. Em protesto aos decretos - além de reivindicações dos alunos- estudantes da USP ocuparam a reitoria da universidade por 51 dias. Após desgaste político, Serra teve de recuar das medidas editadas.

O novo secretário é doutor em Ciências e foi diretor-executivo do Instituto Uniemp - Fórum Permanente das Relações Universidade-Empresa. Vogt é também presidente do Centro Franco-Brasileiro de Documentação Técnica e Científica.

A saída de Pinotti configura a segunda mudança do governo Serra. No mês passado, Maria Lúcia Carvalho foi substituída no comando da Secretaria de Educação por Maria Helena de Castro. Apesar de Maria Lúcia também ter alegado motivos pessoais para a saída, nos bastidores do governo a informação é que ela não concordava com propostas de Serra, como a contratação de estagiário para ser o segundo professor na sala de aula, e também discordou da licitação de materiais escolares.

Turollo disse...

Muito estranho isso, não acham?