sexta-feira, 29 de junho de 2007

Resultado da Congregação da FC

A estudante Ludmilla Rubinger participou da reunião da Congregação da Faculdade de Ciências e nos enviou o que foi discutido e decidido:

- CALENDÁRIO ESCOLAR – GRADUAÇÃO
Foi aprovada a proposta de calendário com início das aulas para o dia 02/07 (segunda-feira) e início de férias para 06/08 (segunda-feira) até dia 18/08. Dessa forma, serão duas semanas de férias em agosto (período em que serão feitas matrículas, adequações e confirmações). Além disso, também NÃO haverá necessidade de aulas em janeiro. Com relação às férias dos docentes e idas a Congressos, viu-se a possibilidade de serem tratados caso a caso.

- REPRESENTAÇÃO DOCENTE JUNTO AO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNESP
Foi aprovada por unanimidade a realização de eleição para representante docente da FC no Conselho Universitário (votam somente docentes).


- CALENDÁRIO DE REUNIÕES ORDINÁRIAS DA DOUTA CONGREGAÇÃO DA FC
A próxima reunião da Congregação ocorrerá no dia 05/07.


Observações

Durante a reunião, a representante discente destacou alguns pontos:
  • A estudante não defendeu nenhuma posição concreta com relação ao calendário proposto, pois isso não foi discutido em nenhuma assembléia estudantil, portanto, ela não se sentia apta a representar todos os alunos, mas salientou a importância das aulas serem repostas com qualidade;
  • Sobre a questão das faltas e prejuízos com relação a provas e trabalhos aplicados em período de greve, os alunos devem entrar com recurso, pois assim, este passaria pela coordenadoria do curso, pela comissão de ensino e pesquisa e por fim, chegaria à Congregação (a estudante pediu uma postura mais forte do diretor - como a cobrança aos professores "fura-greve"-, mas ele disse que essa seria uma medida muito impositiva;
  • Os professores não concordaram com a postura da FEB de realizar um calendário à parte. Os alunos da FEB que se sentirem prejudicados, devem entrar com recurso.
FEB e FAAC

A diretoria da FEB alegou já ter convocado uma reunião conjunta (os professores da engenharia negaram veementemente tal convocação) e disse que já está com o seu calendário pronto.
A congregação da FAAC será realizada no dia 02 de julho, às 14h, na sala dos órgãos colegiados (próxima à seção de graduação) e será aberta a todos. Participe para que seus direitos sejam respeitados!

Bauru na reunião do Comando de Greve Estadual

Ontem, dia 28 de junho, o comando de greve estadual se reuniu na cidade de Araraquara para discutir os movimentos de greve nas estaduais paulistas e os balanços que cada campus das três universidades fez.

Dois carros e uma van saíram de Bauru no início da manhã de ontem para participar do comando. Segundo os estudantes da Unesp de Bauru que participaram da reunião, o encontro foi importante para saber as peculiaridades de cada campus, tanto no aspecto de contrução da greve, como nas necessidades estruturais.

Ato

Depois disso, foi discutido e votado um ato na Rodovia Washington Luis. As cerca de 130 pessoas presentes fizeram uma passeata pelas ruas da cidade, até chegarem na avenida, uma das mais importantes de Araraquara. Houve um impasse: alguns manifestantes queriam ficar na praça ao lado da avenida para dialogar com a população e outra parte queria parar o trânsito da via (de pouco em pouco tempo). Resultado: dois grupos se dividiram e fizeram as duas coisas.

Os integrantes da Unesp de Bauru ressaltaram a importância da reunião e do ato para a união do movimento estudantil em nível estadual.

quarta-feira, 27 de junho de 2007

Avaliações possíveis do Movimento Estudantil sobre o fim da greve

Entramos na greve com uma pauta de reivindicações séria, que parte das nossas necessidade cotidianas, discutida em assembléia e perfeitamente concretizável.

Precisamos, todos, da humildade de aprender com a História

Em 1999 e 2000, os estudantes da UNAM (Universidad Nacional Autônoma do México) "cruzaram os braços" numa greve de 10 meses, num árduo trabalho de cansar o governo. Estudantes foram presos e reprimidos. A greve, vitoriosa, mobilizou as diferentes classes da sociedade mexicana a favor dos estudantes, considerados heróis da resistência e da denúncia contra um governo opressor das classes mais pobres. Dez meses de greve para serem ouvidos - e libertarem os presos políticos (estudantes) da maior mobilização mexicana dos últimos tempos. A história se repete ou se assemelha muito em diferentes partes do mundo na contemporaneidade, em especial no tocante às formas de repressão nas sociedades democráticas (vejam a ação policial em Araraquara contra os manifestantes).
Talvez por maior consciência política e participação das massas, talvez por estarem em condições materiais piores do que as nossas hoje, os estudantes mexicanos resistiram no tempo mobilizados. E nós, quanto tempo estaríamos dispostos a nos mobilizar para cansar o governo? O quanto isso é ou deve ser prioridade nas nossas vidas?

Professores, funcionários e peculiaridades desta greve

Professores entraram na greve este ano a reboque da ocupação dos estudantes da reitoria da USP. Em Bauru, iniciaram a greve impulsionados pela mobilização estudantil. Saíram da greve com o mesmo reajuste salarial obtido desde o princípio - 3,37%. Os reitores, temendo uma grande greve devido à questão dos decretos, ofereceram de início um reajuste maior que o cogitado pela categoria inicialmente.
Então, em benefício sobretudo dos funcionários, professores reivindicaram 3,15% de reajuste mais uma parcela fixa de R$200. Peculiaridade desta greve e que poucos sabem, a questão salarial não foi o principal ponto dos professores. A briga era pela Universidade pública no Estado, e o estopim foram os decretos do Serra. Talvez esta tenha sido a razão da desmobilização da categoria docente, em sua maioria: a briga não era pelo bolso. Professores da USP aceitaram o Decreto Declaratório e voltaram às aulas. Em Bauru, professores não tiveram suas reivindicações atendidas. E voltaram às aulas devido à pressão dos professores que não estavam sensibilizados com a causa da Universidade no tocante à questão dos decretos.
Funcionários conseguiram um reajuste de cerca de R$30 por mês, para aqueles que ganham R$1000, por exemplo - lembrando que o piso salarial é de R$800.

Baderneiros não cansam, governo não dorme

Quanto aos estudantes do movimento, dois posicionamentos predominaram. Alguns acreditavam que, por mais justa e estratégica que pudesse ser a greve, o Comando de Greve perderia muito mais tempo e energia em tentar persuadir professores e estudantes do campus que não respeitam as Assembléias e furam a greve do que mobilizaria pessoas em torno do que realmente seria importante numa greve: criar estratégias de pressão, organizar atos públicos e negociar com as autoridades. Logo, a greve se faria inviável.
Outros acreditavam que, à medida que não havíamos conseguido o que queríamos de forma satisfatória, não deveríamos deixar a greve.
Na Assembléia Estudantil da última segunda, no entanto, era consenso que, com greve ou sem greve, a mobilização continuaria de outras formas.

Nosso pós-greve e convite à participação dos estudantes

E assim é: os estudantes deixaram a Assembléia já criando novas maneiras de continuar com o movimento. A capacidade de se renovar é fundamental e estamos trabalhando nisso em Bauru e em todo o Estado.
Estaremos em Araraquara amanhã (quinta, 28), para a reunião do Comando Estadual de Greve que vai se transformar, com o eventual fim das greves, no Comando Estadual de Mobilização.
Faremos um flash-mob na próxima terça-feira em Bauru.
Continuaremos atuando com as Comissões (Finanças, Comunicação, Atividades...).

É bom saber

Unicamp, Ourinhos, Rio Claro e USP São Carlos ainda estão ocupados.
A greve estudantil continua em algumas unidades da Unicamp e em alguns campi e cursos da Unesp, bem como na USP São Carlos e USP Ribeirão.

Intervenção Artística na Assembléia

Quem compareceu ao anfiteatro “Guilhermão” na última terça-feira para participar da assembléia unificada com certeza tomou um susto ao ver cinco pessoas estáticas, sentadas em carteiras estrategicamente posicionadas embaixo de sacos plásticos que soltavam gotas de água nas cabeças dessas pessoas.

Havia palavras pintadas nos corpos dos manifestantes, como “utopia”, “interesse”, “educação”, “Unesp”, entre outras. A idéia da intervenção surgiu dos próprios “personagens”, que explicam que a manifestação não tinha um caráter fechado. “É uma manifestação simbólica. Cada um que está aqui (na assembléia) pode interpretar os diversos elementos do jeito que quiser”, disseram os integrantes em uma espécie de entrevista em grupo.

A estudante Beatriz Costa Rangan interpretou o ato como uma demonstração de passividade. “Eu vi a queda da água como a queda dos problemas. Eles caem nas cabeças das pessoas e elas se mantêm apáticas, assim como o menino ficou, olhando para o nada”.

Já Leandro César de Oliveira teve outra impressão.“Eles estavam sentados, passando por uma tortura”, comenta o estudante.

Uns acharam fantástico, outros não entenderam, mas a intervenção artística fez com que os participantes da assembléia pensassem, pelo menos um pouco, sobre o papel que exercem na universidade.

E você, o que achou?

Participantes da intervenção: Sarah Carvalho, Thaís Luquesi, Felipe Matos, Andrea Martins e Emiliano.

Fotos: Andressa Borzilo

"Não à repressão" visita a Câmara

Publicado no Jornal da Cidade em 24 de junho (http://www.jcnet.com.br/busca/busca_detalhe2007.php?codigo=106863). Nossas Comissões estão levando aos diferentes setores da sociedade - e à imprensa - a nossa luta.

Unesp e a Câmara

Estudantes do Comando de Greve da Unesp de Bauru protocolaram sexta-feira uma carta na Câmara Municipal pedindo aos vereadores um posicionamento contrário à ação policial na greve que paralisa as universidades estaduais. “A Polícia Miliar tem sido usada pelo governo na tentativa de silenciar os estudantes contrários aos rumos que Serra dá ao ensino superior”, diz a nota enviada ao JC.

Entregue a Tobias

Os alunos reclamam principalmente contra o uso da tropa de choque para a retirada de estudantes do câmpus da Unesp de Araraquara. A mesma carta e o mesmo pedido foram entregues pelos universitários bauruenses ao deputado estadual Pedro Tobias (PSDB). A reitoria da USP, em São Paulo, foi desocupada na última sexta-feira por grevistas, alunos, professores e funcionários.

Universidades estaduais de SP prestam contas à sociedade!!

O texto abaixo foi publicado no Jornal da Cidade, em 23 de junho, pelo professor Henrique Luiz Monteiro, da Faculdade de Ciências da Unesp Bauru. É uma reflexão sobre o papel social da Universidade Pública. Informações como estas podem colocar a sociedade ao nossa lado na briga por uma universidade melhor.


As universidades paulistas têm ocupado as manchetes dos principais veículos de comunicação do país. Além das matérias sobre a ocupação da USP e de outros prédios da Unesp e Unicamp, também foram assuntos recentemente destacados: (a) intervenção do Estado no controle financeiro da Unesp, Unicamp e USP, ferindo a autonomia assegurada pela constituição de 1988; (b) a ampliação de vagas do ensino superior público; e, (c) o distanciamento das Instituições de Ensino Superior (IES) da sociedade. Primeiramente é preciso registrar que no período 1988-2007, a autonomia universitária permitiu expressivo ganho de eficiência das universidades paulistas, como o aumento de vagas na graduação (92% na Unesp, 137% na Unicamp e 52,1% na USP) e de formados na pós-graduação (1053% na Unesp, 280% na Unicamp e, 93,6% na USP).

No Brasil, a produção científica apurada pelo Science Citation Index Expanded aumentou de 10.279 artigos em 1998 para 15.846 em 2002 (crescimento de 54,2%), o que posicionou o País no 17° lugar no ranking dos maiores produtores de conhecimento científico do mundo, sendo que as universidades públicas paulistas respondem por 49,6% da produção nacional. Este crescimento, a partir da autonomia, ocorreu apesar da estagnação do número de docentes na ativa (3.396 em 1989; 3.354 em 2005-Unesp) e do aumento do quantitativo de aposentados (7% em 1989; 27% em 2005-Unesp), que oneram a folha da Universidade sem repasse do Governo Estadual. Especificamente sobre o item (a) em tela, é necessário esclarecer que as universidades estaduais sempre prestaram contas de seus gastos. Anteriormente ao Decreto 51.636 de 09/03/2007, o Sistema Integrado de Administração Financeira de Estados e Municípios (Siafem/SP) era alimentado mensalmente e agora o governador determinou a atualização diária. Os três reitores informam estarem avançadas as negociações com as secretarias da Economia e da Fazenda para a atualização do Siafem em menor espaço de tempo sem comprometer a autonomia. Sobre o item (b), vale lembrar que esta bandeira já foi empunhada nos anos setenta quando o Ensino Fundamental e Médio foram universalizados. Na época a classe política clamava era por um ensino público de qualidade extensivo a todas as camadas da população, porém, a ampliação de vagas sem o devido aporte de investimentos para assegurar a qualidade, resultou numa escola pública onde todo cidadão com condições de retirar seus filhos do sistema, faz opção pelo ensino privado.

O que o povo pede e tem direito é a um “Ensino Superior Gratuito”, e não a ampliação de vagas em razão inversamente proporcional a qualidade. Para o item (c) é preciso esclarecer que uma coisa é distanciamento, a outra é falta de comunicação. Até a matéria do JC de 20/06/2007, quando anunciou 385 projetos sociais mantidos pelas IES, eram comuns as manifestações de autoridades locais a acenar nos órgãos de imprensa que as IES encontravam–se distantes da Sociedade. Das 385 iniciativas, apenas o câmpus da Unesp em Bauru responde por 162 projetos. Na região, apenas na área de saúde a Faculdade de Medicina de Botucatu é responsável por 583.150 atendimentos/ano, a maioria para procedimentos complexos (os mais caros); a FOB-USP de Bauru responde por 53.853 atendimentos/ano e o Centro de Psicologia Aplicada da Unesp de Bauru, por cerca de 10.000 atendimentos/ano. As universidades públicas paulistas são patrimônio do povo do Estado de São Paulo, prestam contas à sociedade e têm dado conta do seu papel.

O autor, prof. dr. Henrique Luiz Monteiro, é docente da Faculdade de Ciências, da Unesp-Bauru.

terça-feira, 26 de junho de 2007

Deliberações da Assembléia Unificada

Assim como nas assembléias de docentes e de estudantes, ocorridas ontem, a assembléia unificada das três categorias (professores, alunos e funcionários) realizada hoje, colocou em discussão o refluxo do movimento estadual e o entrave de alguns segmentos das três categorias em participar ou apoiar a greve. Seguindo o indicativo das assembléias de docentes e de estudantes, a plenária aprovou o voto em separado, por categorias, com relação à manutenção ou não da greve. Foi deliberado(a):

-Suspensão da greve de estudantes (312 favoráveis; 174 contrários e 34 abstenções);

-Suspensão da greve de funcionários (por contraste);

-Suspensão da greve de professores (por unanimidade);

-Criação de um Fórum de todos os campi da Unesp, a ser sediado em Bauru (data ainda será definida);

-Convocação de uma audiência pública com os três diretores das faculdades do campus de Bauru;

-Convocação de uma audiência pública com o reitor Marcos Macari em Bauru, para que ele discuta a nossa pauta de reivindicações;

-Realização de um flash-mob nas principais ruas de Bauru na terça-feira, dia 03 de julho;

-A reposição de aulas foi aceita por funcionários e professores;

-A data para volta às atividades normais: segunda-feira, dia 02 de julho.

O movimento sai da greve de forma organizada e unificada. O recuo foi necessário devido à conjuntura estadual, mas a luta contra os decretos e quaisquer mecanismos que tentem jogar a universidade pública na vala comum (assim como foi feito com o ensino básico e fundamental) continua!

Carta do Comite Estadual de Greve das Universidades Estaduais Paulistas

O Comitê Estadual de Greve das Universidades Estaduais Paulistas, representando 15 unidades em greve e cinco ocupações em vários Campi de diversas cidades paulistas, vem por meio desta comunicar:

1. Consideramos inconstitucional a criação da Secretaria de Ensino Superior, uma vez que uma Secretaria de Estado só pode ser criada através de lei aprovada pela Assembléia Legislativa, como prevê a Constituição Estadual, e não por decreto. Da mesma forma consideramos inconstitucional a separação entre ensino, pesquisa e extensão, realizada pelo decreto n. 51. 460, que separa as Universidades Estaduais da Fapesp e CEETEPS.
Sendo assim, continuaremos na luta pelo que entendemos ser legítimo fazendo atos por todo o Estado.

2. Não aceitaremos qualquer punição a alunos, funcionários e professores das Universidades Estaduais por motivos políticos de greve e seus métodos - inclusive piquetes, barricadas e ocupações. Também não aceitaremos de forma alguma a presença e permanência da Polícia
Militar nos Campi, sob pena de novas ocupações e reocupações.
Entendemos que o direito de greve é legítimo e que a presença da polícia nas Universidades significa uma clara ameaça à autonomia universitária e retoma uma prática dos tempos da Ditadura Militar.


Campinas, 23 de junho de 2007.
COMITÊ ESTADUAL DE GREVE DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS PAULISTAS

Avanço nas negociações da Unesp

Abaixo segue a carta que relata a visita do reitor da Unesp, Marcos Macari, à Unesp de Marília:

Pessoal,
Conforme o combinado quando da desocupação do prédio da direção de Marília pelo movimento de ocupação, o Reitor esteve hoje na unidade e discutiu a pauta de reivindicações dos estudantes. Além da pauta local, também foi colocada em discussão a pauta geral da Unesp, definida no último CEEUF, o que foi feito pelos membros do comando de greve presentes - Rio Claro, Ourinhos e Presidente Prudente.

Apesar de sabermos que o Reitor não se comprometeria em relação à maioria da pauta colocada, acreditamos que a atividade foi muito positiva pois abre diálogo em vários pontos da mesma e inclusive porque tivemos um comprometimento do Reitor em alguns pontos importantes para nós. Pressionamos bastante para que as negociações fossem imediatamente abertas nos campi em greve e ocupados. A respeito disso Macari disse que basta entrar em contato com a reitoria para agendar a ida dele nos respectivos campi, o que já ocorreu com Araraquara, onde ele deve estar amanhã, Assis e Rio Claro, onde ele deve ir nos próximos dias.

Houve uma sinalização positiva por parte da reitoria em contratar funcionários públicos para fazer a vigia do campus, que encontra-se hoje em grande defasagem, além do posicionamento favorável a abertura 24H dos campus e autonomia para utilização do espaço e da infra-estrutura, coisa que encontra grande resistência por parte da direção daqui.
O reitor também se colocou de forma favorável à concessão de bolsas alimentação para o RU, inclusive dizendo que há verba para isso mas que, apesar disso o que impede que ela seja usada para estes fins seja a questão da inexistência na Unesp de uma rubrica específica para auxílio alimentação. Também houve sinalização favorável à discussão sobre a ampliação do CEES, bem como à construção da "Escola de Aplicação" e do "Instituto de Línguas". Para tanto, foi aprovado em votação simbólica que a Congregação local deve apresentar um projeto para a construção dos mesmos.

Também houve votação simbólica contra as punições ao movimento, um dos pontos da pauta em que ele se colocou de forma mais intransigente, mesmo que todas as falas se colocassem veementemente contrárias às punições. Aliás, neste ponto ele foi bastante pressionado, assim como em relação aos decretos, sobre os quais ele justifica a ação do governo como sendo uma ação de Estado que não pode ser questionada.
Acredito que houve avanços importantes, mas nada muito além do esperado. Nossa assembléia de avaliação é terça-feira, à noite, por hora a greve permanece.

Manuela
D.A. "XV de Março"
Unesp Marília

segunda-feira, 25 de junho de 2007

Deliberações das Assembléias de segunda-feira, dia 25/06

Às 14h desta segunda-feira, na Central de Salas de Aula, ocorreu a assembléia do docentes convocada pela Adunesp Seção Sindical. Os cerca de 40 professores presentes discutiram questões referentes ao movimento construído durante o período de greve, como a falta de apoio da categoria, o pouco interesse da maioria dos docentes com relação aos decretos e a impossibilidade de manutenção da greve devido ao refluxo estadual e à baixa mobilização local. Ao final das discussões, a assembléia deliberou:

-Indicativo da categoria docente à assembléia unificada de saída da greve;
-Indicativo da categoria docente à assembléia unificada de votação por segmento;
-Convocar o reitor da Unesp para discutir, em Bauru, a autonomia universitária;
-Indicativo ao Fórum das Seis de realização de assembléias unificadas das três categorias por um período fixo e realização de um abaixo assinado estadual contra os decretos;
-Repúdio a qualquer tipo de repressão a professores, funcionários e estudantes que participaram do movimento de greve.
-Declaração dos docentes de estarem em assembléia permanente (podem chamar assembléia a qualquer hora, sem a burocracia necessária).

Estudantes

A assembléia estudantil também foi realizada na Central de Salas, mas no fim da tarde. Cerca de 100 alunos fizeram a avaliação do movimento grevista com ampla discussão sobre os indicativos da categoria a serem levados para a assembléia unificada. Foi deliberado:

-Indicativo da categoria estudantil à assembléia unificada de votação por segmento;
-Indicativo da categoria estudantil à assembléia unificada de manutenção da greve;
-Manutenção das comissões caso a greve termine;
-A escolha dos delegados para participação no comando de greve estadual;
-Realização de uma audiência pública com os três diretores do campus para que nossas reivindicações sejam discutidas;
-Criar uma comissão para fiscalizar o cumprimento normal das aulas por parte dos professores;

Coerência

Tanto os professores quanto os estudantes que participaram de todo o movimentro grevista sabem que as vitórias conquistadas não são as desejadas, mas também têm consciência do embate que acontece entre os favoráveis e os não-favoráveis à greve.

Os professores mobilizados tiveram que levar a greve nas costas enquanto muitos colegas aproveitavam o tempo livre para corrigir trabalhos e adiantar pesquisa. O mesmo pode ser dito com relação a alunos que estudaram para provas e tiveram tempo de voltarem para suas casas, enquanto colegas de classe se desgastavam contruindo a greve em Bauru. O indicativo da classe docente é de retirada da greve, pois ela é inviável neste momento em que a classe está tão desmobilizada nos níveis local e estadual, mesmo com a luta de poucos professores. Os estudantes defendem o indicativo de manutenção da greve, pois querem continuar mobilizados e lutando por melhorias para o campus e para a (que não foram satisfatórias), mas sabem que há uma grande despolitização do segmento e que a defesa da proposta será difícil.

O movimento foi construído unificadamente e se mantém da mesma forma até agora. Os trê segmentos unidos conseguem agregar muita força para lutar pelos direitos que estão sendo tirados da universidade.

FATEC E CENTRO PAULA SOUZA

“O deputado Pedro Tobias anuncia instalação da FATEC em Bauru e Lins”. Sim, este era o título de mais um release (material enviado pelas agências de comunicação).

Em meio a um grande debate estadual sobre universidades públicas, o representante estadual bauruense anuncia para imprensa uma informação como esta? Fiquei curiosa...

Tentei o contato com sua assessoria não obtive retorno, a solução era confirmar a notícia direto da fonte. Uma semana, esse foi o prazo para obter uma resposta convincente da Diretora Superintende do Centro Paula Souza*, Laura Laganá, que por meio de sua assessoria nos informou que a situação em Bauru é inicial, reuniões ainda nem foram agendadas e que o Ceeteps não tem condições de avaliar essa possibilidade.

*Centro Paula Souza – Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza – É uma autarquia1 do governo do estado de São Paulo que administra as Escolas Técnicas Estaduais (ETES) e as Faculdades de Tecnologia do mesmo estado.

1Autarquia – Serviço autônomo, criado por lei, com personalidade jurídica, patrimônio e receitas próprios para executar atividades típicas de Administração Pública, possuem uma gestão administrativa e financeira descentralizada.

Ainda bem!

A vinda de uma possível FATEC para Bauru ou região faz parte de um plano irresponsável de expansão de vagas enfrentado por boa parte das instituições públicas de ensino.

No ano passado, foram abertas nove unidades da FATEC e neste ano foi criada uma unidade em Mogi Mirim e uma outra, em Mogi das Cruzes, tem previsão para começar suas operações no início de 2008.

Em uma rápida busca pela internet, são inúmeros os municípios que também anunciam a vinda de Faculdades de Tecnologia...em quem acreditar? A FATEC e o Centro Paula Souza não confirmam. “Reuniões em fase inicial”, “Encontros serão agendados”...mas os deputados dessas cidades afirmam com veemência que as discussões já foram iniciadas.

O que nos resta?

Acreditar que não passam de boatos! Pois o Centro Paula Souza mantém hoje 30 FATECS e em um prazo de quatro anos, já foram inauguradas 14 Escolas Técnicas Estaduais (ETES), totalizando 130 ETES. A assessoria de imprensa da Ceeteps, ao menos, confirma que há um Plano da Expansão de Unidades das Faculdades de Tecnologia, mas ao serem questionados sobre possível expansão do plano orçamentário afirmam:

“Não temos essa informação ainda”.

Ah! Ainda tem os decretos!!!

Segundo o decreto 51.460 a Ceeteps é mantida na Secretaria do Desenvolvimento separada das universidades estaduais, que estão, por sua vez, na Secretaria de Ensino Superior. O que vincula a formação dos nossos colegas às diretrizes de desenvolvimento econômico definidas pelo Estado (recordam-se das pesquisas de cunho operacional?), ou seja, fere a autonomia didático-científica da instituição.

Além disso, o decreto declatório mantém a proibição de contratação e admissão de pessoal na Ceeteps. E então fica uma pergunta? No texto da assessoria de imprensa do deputado estadual pelo PSDB, Pedro Tobias, o governo do estado, através do Centro Paula Souza seria o responsável pela infra-estrutura, pelos recursos humanos e definição dos cursos da FATEC Bauru.

Responsável pelos recursos humanos, como? O governador não proibiu a contratação de profissionais para as FATECs e ETEs?

Alguns esclarecimentos...

Com a separação da FATEC da UNESP, graças a criação da Secretaria de Ensino Superior, aliada a deliberação aprovada pelo Conselho Estadual de Educação sobre registros de diplomas, surgiram notícias de que os cursos de tecnologia não seriam mais de graduação e se transformariam em cursos pós-médios.

Isto porque, com esta definição todas as entidades de ensino superior paulistas são proibidas de emitir diplomas ou certificados relativos a cursos que tenham sido ministrados por outras instituições. Justamente o que acontece entre a UNESP e a FATEC.

Segundo o Ceeteps, foi solicitada uma análise jurídica para verificar a abrangência dessa deliberação e até que isso ocorra, todos os procedimentos relativos a diplomas permanecerão os mesmos.

Juliane Cintra

sábado, 23 de junho de 2007

Assembléia Estudantil

Data: 25/06, segunda-feira
Hora: 18h
Local: Anfiteatro "Guilhermão"
Detalhes: serão discutidos posicionamentos a serem levados para a assembléia unificada, de terça-feira.

O movimento unificado

Unificar, em uma greve, significa encontrar os pontos comuns das categorias para construir um movimento que lute pelo interesse de todos.
O movimento se unificou em Bauru desde a deliberação oficial de greve por parte dos docentes. O comando de greve e as assembléias estão sendo organizadas por integrantes das três categorias.
Ao final da última assembléia, o Greve Não É Férias conversou com um integrante de cada categoria para perguntar qual é a importância do movimento unificado para seu segmento.

Nilma Renildes da Silva, professora do departamento de Psicologia: "Aqui na Unesp hoje, nós percebemos que a categoria docente não está organizada para a continuidade deste movimento. Mesmo assim, o movimento unificado é importante, pois quanto mais segmentos em prol de uma luta, mais força ele tem.

Fábio Teixeira, estudante de engenharia elétrica: "É importante que não só os alunos, mas também professores e funcionários entendam que a greve não é uma paralisação para bagunça ou para baderna, é o momento de sentarmos e discurtirmos nossos direitos para reivindicá-los perante as autoridades".

Reinaldo Cervatti Dutra, funcionário: "Nós servidores achamos que ainda não houve muita conquista. Na questão salarial houve avanços, mas não é consenso na categoria e ainda há a questão da LDO. Defendemos a continuação da greve, pois a luta ainda tem condições de conquistar mais pontos.

sexta-feira, 22 de junho de 2007

Atividades dia 22/06

Atividade: Oficina de faixas
Hora: 16h
Local: Sala 54
Detalhes: oficina de faixas com mensagens solidárias aos alunos da Unesp de Araraquara, que sofreram repressão policial.

Atividade: Grupo de Discussão sobre Repressão - com professor Clodoaldo Meneguello Cardoso - CONFIRMADO
Hora: 18h
Local: Sala 54
Detalhes: O professor de Filosofia, Clodoaldo Meneguello Cardoso, do núcleo pela tolerância, comanda o grupo de discussão que vai tratar de temas ligados à repressão.

Atividade: Som na 54
Hora: 20h
Local: Sala 54
Detalhes: um som rolando e um bate-papo.

quinta-feira, 21 de junho de 2007

Universidade lacrada

Quem está dentro sai aos poucos. Quem está fora, não entra. Esse foi o relato que recebemos, às 21h50, dos estudantes de Araraquara que estão mobilizados. Cinco carros da polícia e cerca de 15 PMs estão sitiando o campus e impedindo o trânsito de pessoas na noite desta quinta-feira.

Amanhã alguns representantes da USP e da Unicamp vão se unir com os estudantes de Araraquara para uma manifestação pacífica contra o uso da força policial e a incapacidade de negociação dos dirigentes da Unesp. Na opinião dos estudantes, a diretoria mandou a polícia cercar o campus hoje para evitar que amanhã o protesto pacífico aconteça. Não existe nenhum indicativo de ocupação.

A sociedade tem que ser despertada para o processo de criminalização dos estudantes que está sendo encabeçado pela imprensa governista. De acordo com a matéria do G1 sobre a manifestação anti-repressão dos estudantes da USP, que aconteceu hoje em São Paulo, os policiais tiveram que se defender contra os estudantes. Como se nós, estudantes, tivéssemos armas de fogo, cassetetes e gás pimenta. Tentaram inverter a situação.

Na matéria do UOL, a diretoria alega "proteção ao patrimônio público". Ora, os decretos é que deterioram o patrimônio público.

Quem são os inimigos da população? Governo ou estudantes, que são parte dessa mesma população? Iniciemos uma campanha de denúncia das ações do governo. Queremos ser ouvidos pela nossa universidade!!!

Flash-mob estadual contra os decretos

Hoje, dia 21 de junho, ocorreu um flash-mob contra os decretos do governador Serra em cidades do Estado de São Paulo que possuem campi das Universidades Estaduais Paulistas (USP, Unesp, Unicamp e FATEC). A manifestação teve o intuito de chamar atenção para a causa dos estudantes de uma forma rápida, efetiva e abrangente. Mais detalhes em www.contraosdecretos.cjb.net.

Em Bauru, cerca de 120 estudantes participaram do ato, que consistia em paralisar o trânsito das principais ruas da cidade por 5 minutos (das 12h às 12h05). As ruas/cruzamentos em que houve manifestações foram:

-Avenida Duque de Caxias / Rua Saint Martin
-Avenida Rodrugues Alves / Rua Antônio Alves
-Rua Primeiro de Agosto
-Rua Treze de Maio

O flash-mob ocorreu com sucesso na cidade. Após o ato, os estudantes organizaram uma manifestação que percorreu o calçadão da rua Batista de Carvalho, panfletando e gritando palavras de ordem contra os decretos do governador, contra a repressão sofrida pelos alunos da Unesp de Araraquara e chamando a população para participar do evento.

A idéia do evento surgiu de alunos da Unicamp, mas veio de encontro às medidas que integrantes do movimento Greve Não É Férias, da Unesp Bauru, vinham realizando desde o início da greve, como a organização de panfletagens e peças de teatro no centro da cidade.

Confira o vídeo do flash-mob no cruzamento da Avenida Duque de Caxias com a Rua Saint Martin:


O Tribunal de Justiça do Estado reconhece a inconstitucionalidade da Secretaria de Ensino Superior

O Partido dos Trabalhadores ingressou no dia 12 de Junho com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade para discutir a criação da Secretaria de Ensino Superior por meio do Decreto 51.460 de 2007.

Foi apresentada tese no sentido de que a Constituição Federal e consequentemente a Constituição Estadual proíbem a criação de órgãos públicos por meio de decretos, ou seja, necessitam de lei para criação de Secretarias.

O Governo do Estado de São Paulo tentou por meio dos decretos indicar que se tratava de mera transformação de nomes, substituindo a Secretaria de Turismo pela Secretaria de Ensino Superior.

Com isso fundamentamos a inconstitucionalidade do Decreto em razão da supressão de poderes. O Executivo agia na competência reservada do Legislativo.

A ação direta de inconstitucionalidade foi proposta com pedido cautelar.

A cautelar no caso da conjunção de dois fatores: existência de direito que ampare a decisão e urgência na decisão, uma vez que o ato praticado pode gerar um prejuízo quase que irreparável caso espere o julgamento final da ação.

O pedido cautelar visava a sustação dos atos praticados pela Secretaria, e no mérito, ou seja, na análise do direito, o reconhecimento da inconstitucionalidade levaria a extinção da Secretaria de Ensino Superior.

A decisão do pedido cautelar é realizado pelo Desembargador Relator do processo e o mérito (o pedido de inconstitucionalidade com a extinção da Secretaria) é realizado pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo que se trata de órgão colegiado formado pelos 25 desembargadores mais antigos do Tribunal.

Ao analisar o pedido liminar o relator, Desembargador Palma Bissom, entendeu que o Decreto Declaratório expedido pelo Governo do Estado acabou por esvaziar a real utilidade da Secretaria e por isso deixou de existir a urgência na decisão que fulminou no afastamento da liminar.

Mas, ao fundamentar sua decisão, entendeu que o decreto é ilegal e abusivo, sendo fadado a inconstitucionalidade, e suas palavras: Pois somente por lei, de iniciativa do Governador, portanto via Assembléia Legislativa, vale dizer, mediante obrigatória observação do processo legislativo, podem ser criadas e extintas Secretarias de Estado (CE, artigos 19, VI, e 24, §2º, n.2).

Assim, o Tribunal por ora reconhece a inconstitucionalidade da criação da Secretaria por Decreto, deixando de suspender suas atividades por entender que a Secretaria não mais opera contra a autonomia universitária.

Todavia, é importante ressaltar que o julgamento definitivo do processo, pelo entendimento de seu relator, fulminará na extinção da Secretaria com a revogação de seu decreto, por notória inconstitucionalidade.

Veja na íntegra a sentença do Desembargador

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Repúdio à ação policial na Unesp Araraquara

Somos parte de uma Universidade que não dialoga. Nossos reitores, diretores e demais autoridades preferem lançar mão da uso da força a manter a negociação com os estudantes.
Ao contrário do apresentado pela Assessoria de Imprensa da Unesp, os estudantes ocupados em Araraquara jamais se negaram a negociar com a diretoria local, e têm uma pauta de reivindicações respaldada pela Assembléia Estudantil, o que lhes garantia legitimidade de ação e representatividade.

Dentre os pontos reivindicados pelos estudantes, estão a necessidade de contratação de mais professores, construção de novos blocos de moradia, já que os atuais não conseguem atender à demanda, e a revogação dos decretos do governador José Serra, que dão ao Estado o poder de interferir na produção do conhecimento das universidades públicas paulistas, e dissociam o tripé ensino-pesquisa-extensão, garantido pelo artigo 207 da Constituição.

Nós, estudantes da Unesp Bauru, repudiamos todas as formas de punição a estudantes e funcionários mobilizados em prol da melhoria da qualidade do ensino público no Estado.
Lutamos pelo direito de sermos ouvidos, em uma instituição onde todas as estruturas trabalham para calar a nossa voz.

Continuamos mobilizados e solidários aos estudantes que estão sendo punidos em Araraquara através do uso da força policial, e entendemos essa ação policial como uma manobra do governo que tenta descaracterizar as reivindicações de nossa categoria perante a sociedade, que tem pouco acesso aos motivos reais de nossa luta.

Atividades de hoje

Atividade: Bazar 54
Hora: período da tarde
Local: Sala 54
Detalhes: um bazar com várias bugigangas a preços módicos para ajudar o fundo de greve do movimento Greve Não É Férias.

Atividade: Reunião para o Ato
Hora: 18h
Local: Sala 54
Detalhes: Reunião para organizar o ato unificado de todas as universidades estaduais paulistas que acontece amanhã. Cada unidade fará a movimentação em sua cidade, simultaneamente. É muito importante a presença de todos para mostrarmos, em nível estadual, a força do movimento estudantil. Para saber mais sobre o ato, entre no site www.contraosdecretos.cjb.net .

terça-feira, 19 de junho de 2007

Continuamos em greve!!!

Em assembléia unificada (funcionários, professores e estudantes) realizada na tarde de hoje, no anfiteatro Guilherme Rodriguez Ferraz, com a presença ampla de membros das três faculdades da Unesp Bauru, foi deliberado(a):

-MANUTENÇÃO DA GREVE (490 votos a favor, 368 contra e 6 abstenções);

-A DATA DA PRÓXIMA ASSEMBLÉIA UNIFICADA - 26 DE JUNHO, COM A PAUTA DE AVALIAÇÃO DO MOVIMENTO;

-REUNIÃO DE ORGANIZAÇÃO DO ATO UNIFICADO DAS TRÊS ESTADUAIS PAULISTAS (QUE OCORRE NO DIA 21), NO DIA 20, ÀS 18H, NA SALA 54.

No início da assembléia, foi votada a possibilidade de separação das votações por segmento, mas a plenária não concordou com a proposta e as deliberações foram votadas de maneira unificada.

Bauru mantém a greve dos três segmentos! Isso mostra que o campus têm consciência da importância de resistir neste momento e que continuamos mobilizados. Esperamos influenciar colegas das estaduais paulistas na luta contra os decretos e por um ensino público, de qualidade e para todos.

Participe!

Se você é a favor ou contra a greve, mas quer expor suas opiniões, participe do movimento Greve Não É Férias, fique atento às atividades que serão divulgadas neste blog (grupos de discussão, oficinas, show, etc). Caso queira entrar em alguma das comissões do movimento (comunicação, finanças, alimentação, atividades e comando de greve), envie um e-mail para grevenaoeferias@gmail.com.

Obs: novamente pedimos que entrem em contato conosco caso algum professor tenha marcado aula ou entrega de trabalhos. Enviem um e-mail pelo endereço eletrônico grevenaoeferias@gmail.com. O comando de greve irá conversar com os professores para que eles não passem por cima da decisão legítima da assembléia.

segunda-feira, 18 de junho de 2007

Não é hora de recuar

Caros colegas,

Cabe a nós, a união que impedirá os mandos e desmandos de um governador que quer pautar a educação a partir de decretos. Não percamos a capacidade de indignação com o que está acontecendo. Que democracia é essa que quando o povo reclama de uma decisão do governador ele não está acessível a negociar e sim a ludibriar? Que democracia é essa que impede a passeata de estudantes, (que, diga-se de passagem, levavam livros nas mãos como forma de protesto) colocando a tropa de choque com gás de pimenta na rua? Isso é um absurdo. Participar efetivamente da democracia não é votar e lavar as mãos, é acima de tudo cobrar dos nossos governantes quando eles não cumprem o seu papel, que é o de representar a vontade coletiva.

As taxas de impostos em nosso país são altíssimas, e não vemos o nosso dinheiro ser investido em educação, saúde, cultura, etc. A culpa é só dos nossos governantes, a quem sempre acusamos de corruptos? Não. A responsabilidade é nossa também, pois não reivindicamos nossos direitos, consentindo com as decisões e a falta de "virtudes" de nossos "representantes".

Apesar da cultura pacífica, melhor dizendo, passiva de nosso país, vivemos sim um momento histórico, em que a união dos estudantes a cada dia ganha adeptos e demonstra força, maturidade e vontade de mudança. É através da pressão popular que conseguiremos fazer valer nossos direitos.

As mobilizações de professores, alunos e funcionários são fundamentais para mostrarmos para "nosso" governador que não estamos brincando e que não vamos permitir que ele acabe com a educação pública superior do estado, como acabaram com a educação básica.

domingo, 17 de junho de 2007

Plenária dos Estudantes da Unesp

Durante o Encontro Nacional da Educação Superior, integrantes de diversos campi da Unesp se reuniram e organizaram uma plenária para organizarem os próximos passos do movimento estudantil da Universidade.

Nessa plenária foram escolhidos os representantes da Unesp para conversarem com o reitor Marcos Macari na segunda-feira. Os escolhidos foram Ludmila (Bauru) e Del (Marília). Os critérios de seleção foram conhecimento técnico (de questões como dados do ICMS, porcentagem que deve ser destinada à assistência estudantil) e experiência.

Também foi decidido que haverá atos em todos os campi da Unesp no dia 21 de junho.

Os estudantes também contaram como anda o quadro de mobilização nas Unesps por todo o Estado.

Confira, no lado direito da página, os blogs de alguns campi da Unesp que estão em greve e/ou ocupados.

Encontro Nacional da Educação Superior

Ontem, dia 16 de junho, ocorreu na reitoria ocupada da USP, o Encontro Nacional da Educação Superior. Estundantes de Universidades (públicas e privadas) de todo o Brasil se reuniram para informar qual é a realidade das instituições em que estudam e como andam as mobilizações estudantis pelo país.

Trinta e duas das quarenta e três universidades presentes deram seus informes sobre greves e ocupações. Há muitas mobilizações estudantis que conseguiram vitórias significativas, como a derrubada do Reitor na UEG (Estadual de Goiás); revogação dos decretos do Requião, no Paraná, devido às ações das universidades do Estado e contruções de moradias estudantis em diversos campi.

Também aconteceram grupos de discussão sobre a conjuntura do movimento estudantil nacional. Depois houve uma plenária para deliberar as bandeiras pelas quais os estudantes do país irão lutar no segundo semestre. Entre as deliberações mais importantes estavam:

-Educação não se faz por decreto;
-Mais verbas para a educação pública;
-Criação de uma política nacional para assistência estudantil;
-Unificar lutas com trabalhadores;

sábado, 16 de junho de 2007

Não haverá aula!!!

Alguns professores estão confundindo os seus alunos espalhando boatos de que as aulas voltam nesta segunda, ISSO É MENTIRA. Não levem em consideração comunicações como está abaixo:

"Caros alunos.
Comunico a voces a retomada das aulas e fim da GREVE. Com isso convoco voces para assistirem a aula teórica de Programação de Fresadora CNC no dia 18/6/07 as 19:00h no Laboratório de CNC.(horario reservado para as turmas A e B). Peço também para voces agendarem a partir de 2ª feira dia 18/6/07 a realização das engrenagens helicoidais com o Rodrigo ou Cristiano.
Prof. Ivaldo"

Atenção colegas, informações como esta acima não são verdadeiras. Os três diretores reconhecem a legitimidade da greve, com isso, os professores que derem aula nesse período não podem contar falta, cobrar trabalho ou aplicar prova, além disso, eles terão que repor as aulas ministradas durante a greve.

Se o seu professor estiver furando a greve, envie e-mail para o Geve Não é Férias, o comando de greve irá conversar com ele.

A greve continua até a revogação dos decretos!!!

Fotos do Ato Pela Educação















Professores, funcionários e estudantes das estaduais paulistas fazem manifestação em São Paulo


Cerca de 2 mil pessoas participaram do Ato pela Educação


















Assim como no dia 31, no Ato contra os Decretos, policiais barram manifestação pacífica.

Fotos: Andressa Borzillo

sexta-feira, 15 de junho de 2007

Ato pela Educação II

A manifestação dos estudantes, professores e funcionários das universidades públicas paulistas e dos professores da rede estadual de ensino, que ocorreu hoje, em São Paulo, decidiu por não ocupar o prédio da Secretaria de Ensino Superior (SESU).

Segundo estudantes da Unesp Bauru presentes na manifestação, ocorreu uma assembléia estudantil pela manhã, na reitoria ocupada, mas não houve deliberações polêmicas (como a ocupação da SESU). Outra plenária iria acontecer após o ato, novamente na reitoria, para delinear os rumos do movimento.

Porém, durante a manifestação, uma parte dos estudantes teve a idéia de ocupar o prédio da Secretaria. Após a reunião dos delegados dos diversos campi das universidades estaduais paulistas, foi decidida a não ocupação da SESU.

Novamente os estudantes mostraram a força que possuem. Reuniram cerca de 3 mil manifestantes para continuar a luta pela revogação dos decretos do governador Serra, que ferem a autonomia universitária. É por meio de manifestações que uma classe mostra à sociedade que algo de errado está acontecendo.

Amanhã, dia 16/06, ocorre o Encontro Nacional da Educação, na reitoria ocupada da USP.

Ato pela Educação

Estudantes, professores e funcionários das universidades públicas paulistas em conjunto com representantes do funcionalismo público iniciaram um Ato pela Educação, hoje, por volta das 14h30, na capital paulista. Os manifestantes se reuniram no vão do MASP e partiram para uma passeata na Avenida Paulista que teve como finalidade chegar até a Secretaria de Ensino Superior. A manifestação chegou ao seu destino por volta das 17h30.

Pela manhã, houve uma plenária das três estaduais paulistas decidindo que seria feita uma manifestação em frente ao prédio, mas não foi discutido seu caráter. Há um grupo que quer entrar na SESU e outro que quer seguir apenas protestando. Delegados de quase todos os campi das estaduais paulistas se reúnem neste momento para tomar a decisão.

Questão Local

Estudantes da Unesp de Bauru que foram ao Ato, aproveitaram para protocolar a carta de reivindicações do nosso campus na reitoria da Unesp. Agora, a carta (que o reitor Marcos Macaria já havia assinado) tem poder legal e será revista pelo reitor (que estava viajando).

"Falso Confronto"

Os grandes meio de comunicação novamente desvirtuam o foco principal do Ato para chamar atenção para assuntos mais "popularescos", como o "confronto" que está havendo na manifestação. Segundo os estudantes da Unesp de Bauru que estão em São Paulo, o Ato se manteve pacífico por toda a tarde.

Enganações do Decreto declaratório

Discutindo os Decretos explica quais foram os avanços do movimento em relação ao decreto declaratório e como este decreto veio pra nos enganar. Vale a pena conferir.

quinta-feira, 14 de junho de 2007

Entrevista com "O Teatro Mágico"

Após a apresentação do Teatro Mágico na Unesp de Bauru, integrantes da trupe concederam entrevista ao blog Greve Não É Férias.


Greve Não É Férias - Como vocês vêem a organização dos estudantes no momento atual?

Galdino
- Na verdade, a gente foi conversar com os alunos da USP ocupados na reitoria e vimos que , apesar do caos - lógico, é uma ocupação, não é um pique-nique - havia organização, proposta, reivindicações sólidas, contundentes, então a gente achou que aquilo era importante. Conversando com as pessoas, percebemos mais ainda que eles estavam engajados além das reivindicações. Os jovens estão criando uma postura política, uma consciência do que é o espaço público. A USP não é do governador, a UNESP não é do reitor, é do povo, é de todos nós. Nós apoiamos essa conscientização, esse tipo de atitude, de postura dos jovens que estão percebendo a importância de se politizar, não no sentido de dar porrada, de esmurrar, de gritar. Esse tipo de postura de quem reivindica liberdade de expressão e nega a expressão do outro não é válida. Agora, essa expressão que você se coloca pacificamente exigindo seus direitos de cidadão, esse tipo de postura política é importante e a gente apóia.

Fernando Anitelli - o que acontece é que eu sinto que as pessoas têm que agregar, independentemente da causa. Se um músico está sofrendo de abuso no trabalho, etc., outras pessoas também podem se agregar a esse movimento para ajudá-los. A grande questão é que as pessoas esperam dos artistas e dos estudantes! Cai sobre nós toda essa responsabilidade de poder reivindicar, bater de frente com algumas coisas. Você não vai espera isso de um padeiro. Você não vai chegar na padaria de manhã e econtrar o padeiro dizendo "Meu senhor, vamos lembrar dos problemas da faculdade...". Mas os estudantes que estão no movimento, presentes com força, trabalhando para isso e os músicos que estão trabalhando pela arte independente podem ajudar um ao outro. Isso é fantástico, é necessário. Se a gente não fizer isso, se os estudantes não fizerem essa movimentação, a gente fica irresponsável, pecamos por omissão.









GNEF- Como surgiu a idéia de fazer uma música sobre a juventude que está mobilizada?

Galdino - Conversando, veio a idéia de fazer uma música, uma letra que fala justamente dessa moçada que hoje é rotulada neo-hippie - esses rótulos não dizem nada. Mas o que é importante é que esses jovens são engajados, estão além do que é o virtual. Eles têm uma postura e sabem que a internet é um meio de comunicação ótimo, de idéias, de debates. Pensando nisso, a gente fez uma música que surgiu espontaneamente e que vai ser disponibilizada gratuitamente, quando terminada. Enquanto as pessoas batem, agridem e fazem decretos, a gente simplesmente se coloca de uma forma contundente, como os alunos da USP, como os alunos da UNESP aqui de Bauru. É assim que temos que nos colocar perante a sociedade: com postura, sendo ativo, tendo atividade. Não podemos nos acomodar com o que incomoda.

GNEF - Como vocês relacionam a comunicação alternativa que está acontecendo por meio de blogs entre os estudantes nesta greve e o trabalho de músicos independentes?

Galdino - A internet é um meio de comunicação importantíssimo. Você faz o seu blog, coloca a informação que você vivencia, ou seja, a gente viu uma série de coisas dentro da USP e aqui na UNESP que não são noticiadas nos jornais. Isso está quebrando o monopólio da informação. Ou seja, o quarto poder está sendo atingido frontalmente por quem realmente vê as coisas acontecerem. Não é só a informação da Folha de S. Paulo, da tv Globo, da Veja, agora tem a informação de quem está dentro da situação. Assim também é a nossa relação com a música. Canções que não estariam nas novelas, nas rádios, que não estão nos jabás, mas que as pessoas sabem cantar porque há hoje uma democracia, maior do que a democracia grega, por causa da internet.

GNEF - Qual é a mensagem que você deixaria para a geração que vai assumir o país daqui a alguns anos?

Fernando Anitelli - Vamos buscar trazer à tona aqueles personagens que a gente tem medo de expor, enfrentar as coisas que a gente teme, porque você amadurece naturalmente a partir do momento que você se joga nessas coisas. É justamente essa postura de ser ousado, a gente não pode simplesmente existir. Ser é ousar ser, a gente tem sempre que buscar esse movimento. Acho que a grande sacada é lembrar que os opostos se distraem e os dispostos se atraem.

Teatro Mágico na Unesp II


O grupo O Teatro Mágico esteve, na tarde desta quinta-feira, no evento "Quinta no Bosque" do campus da Unesp de Bauru, em apoio à greve dos estudantes. Três dos integrantes do grupo (Fernando Anitelli, Galdino e Willians) realizaram uma apresentação em formato acústico (violão, pandeiro e zabumba) para cerca de 100 pessoas. Além de tocar músicas consagradas de seu repertório, como Pratododia, Zaluzejo e Camarada d'água, a banda manifestou apoio à causa dos estudantes durante a apresentação.

"Além da greve, da ocupação, a gente apóia a postura dos jovens de serem engajados, politizados de participarem das coisas que realmente interessam para a população e para a sociedade. Os jovens que estudam em universidades públicas têm uma responsabilidade social maior do que a maioria da população. A gente apóia essa moçada que está engajada", comentou Galdino.

A apresentação se extendeu por aproximandamente uma hora e teve caráter interativo, já que os músicos realizaram a performance sem nenhuma amplificação e dialogaram bastante com o público. A trupe não cobrou nada pela sua apresentação.

Em breve, mais fotos, vídeos e a entrevista exclusiva que os músicos do Teatro Mágico concederam ao blog Greve Não É Férias.

Teatro Mágico na Unesp

Integrantes do grupo "O Teatro Mágico" fazem neste momento uma apresentação no campus da Unesp de Bauru, em apoio à greve dos estudantes, que continuará até a revogação dos decretos.

Caravana para São Paulo

Sexta-feira, dia 15 de junho, às 7h, sairá da portaria da FAAC um ônibus para um ato conjunto com o funcionalismo público, na Avenida Paulista.

No sábado, 16, às 4h, sairá da Praça da Paz um ônibus para a plenária nacional do ensino público, que será realizada em frente à reitoria ocupada da USP.

Os dois ônibus retornarão para Bauru no sábado, dia 16.

Contato: Fernanda Bunny 3234-5915 ou (11) 9278-0211

Obs: quem for para São Paulo na sexta-feira, deve levar seu colchonete, pois a caravana irá passar a noite na reitoria da USP.

Greve não é aula!

Apesar da confusão criada pelos e-mails de alguns professores que acreditaram nas deliberações da reunião da Associação dos Docentes local, a faculdade estava VAZIA no dia 13/06, data marcada pela AD para retorno às aulas:




Estacionamento próximo à cantina, 10h07.









Estacionamento próximo à cantina, 10h08








Rua da Atlética e do Bosque, às 20h25





Estamos em GREVE pelo menos até a revogação dos decretos do Serra. Dia 19 de junho, irá ocorrer nova assembléia unificada para avaliação da mobilização. Se tem algum professor seu que marcou aula, mande um e-mail para grevenaoeferias@gmail.com (pode ser anônimo) e avise-nos. Iremos conversar com o professor para que ele não comprometa o movimento de greve.

Diretoria da Unesp Araraquara Ocupada

A mobilização estudantil cresce em todo o estado.

Greve de estudantes continua na USP São Carlos

E-mail do CAASO:

Nota aos estudantes mobilizados contra os decretos

Nós, estudantes da USP São Carlos, viemos através desta divulgar que hoje (12/06) fizemos uma movimentação dentro do campus com objetivo de inviabilizar as aulas, a fim de que mais estudantes participem do movimento.
Em assembléia geral dos estudantes de ontem (11/06) decidiu-se por continuidade da greve, que já dura 22 dias, até que nossa pauta reivindicações seja atendidas:http://caaso.wikidot.com/reivindicacoes.
Tal movimento realizado hoje constituiu-se no bloqueio da entrada das salas de aula dos diversos blocos didáticos do campus com suas carteiras. Ressaltamos que tal ato não resultou em nenhum dano ao patrimônio.

E-mail da Unesp de Assis

Nós, estudantes da FCL/UNESP, campus de Assis, nos solidarizamos em defesa da Universidade Pública, e somos contrários a qualquer processo - seja nos tramites internos, quanto externos à universidade - que venha a punir qualquer membro da comunidade acadêmica que esteja lutando na defesa desta.

- Abaixo qualquer tipo de repressão;
- Pela ampliação da assistência estudantil;
- Contra os decretos;
- Em defesa da Universidade Pública.


Movimento de Ocupação e Greve
Faculdade de Ciências e Letras
FCL/Unesp-Assis


Aprovada em Assembléia Geral de estudantes, 12/06/2007

quarta-feira, 13 de junho de 2007

Atividades de quinta-feira, 14 de junho - Participem!!!

14h:
- Banda;

- Apresentação de uma peça de teatro explicativa sobre os decretos do Serra;

- Festival de Jogos (dominó, dama, xadrez, cartas). Se possível quem tiver leve o seu jogo.

Local: proximidades da sala 54;

18h:
- Grupo de Discussão

Tema: Movimento Estudantil

Participação de estudantes com experiência ou simples vivência em movimento estudantil.

Local: sala 54

20h:
- Um banquinho e um violão – Camila

Local: sala 54

Quem é baderneiro?

Conforme deliberado em assembléia ontem (12/06), a greve continua, pelo menos até a próxima terça, dia 19, quando ocorrerá uma nova Assembléia que avaliará a mobilização e deliberará pela manutenção ou não da greve. Alguns professores da associação dos docentes da Unesp de Bauru soltaram um boato de que as aulas voltariam hoje. Qualquer pessoa que esteve no campus hoje pela manhã pôde evidenciar que isso não passou de um boato, apenas um professor de engenharia quis dar aula. Até agora este foi o único caso de violação da deliberação do fórum, que é reconhecido por lei e pelos diretores. Mesmo sendo, aparentemente, um caso isolado, tal atitude sugere alguns questionamentos: não estariam os professores que espalharam o boato tentando fazer de seus alunos massa de manobra a favor de seus interesses? Essa dúvida paira sobre as nossas cabeças, pois a maioria dos alunos que estão sedentos por aula não leu os decretos. Outro questionamento proveniente da atitude dos professores que espalharam o boato, é: quem de fato é baderneiro? Quem envia um comunicado enganoso pela web, causando confusão entre os estudantes, ou quem estava em frente a universidade para esclarecer as pessoas sobre o que estava se passando?

É importante lembrar que não houve cadeiraço. Nenhum carro foi impedido de entrar no campus. A mobilização de hoje contou com alunos, funcionários e professores das três faculdades do campus (FAAC, FC e FEB). Alguns alunos que foram até a universidade querendo aula acabaram aderindo ao movimento.

Reforçamos que estamos em greve até a revogação dos decretos.

Coletivo Urbano - Ato Contra Decretos Serra



Vídeo produzido pelos alunos da Unesp de Bauru.

terça-feira, 12 de junho de 2007

Assembléia Unificada de Servidores, Estudantes e Docentes

Hoje, dia 12 de junho, ocorreu a Assembléia Unificada de Servidores, Estudantes e Docentes. Como o blog Greve Não é Ferias já informou, é a Assembléia Unificada que tem o poder de decidir o posicionamento dos docentes, já que ela foi chamada pelo sindicato da categoria e delibera seus posicionamentos legalmente (ao contrário do que ocorre com o Associação dos Docentes, que fez um reunião ontem).

Na assembléia, que estava lotada, foi deliberado(a):

-A MANUTENÇÃO DA GREVE, em acordo com o indicativo do Fórum da Seis;

-Uma solicitação para que os diretores avisem aos estudantes que continuamos em greve e que os e-mails enviados por departamentos e professores dizendo que as aulas voltariam na quarta-feira, dia 13, NÃO TÊM VALIDADE;

-A elaboração de uma carta de REPÚDIO às deliberações feitas na reunião da Associação dos Docentes;

-Que a próxima Assembléia Unificada vai ocorrer na próxima terça-feira, dia 19 de junho, às 14h;

-A criação de um Fórum de Discussão sobre a Legislação relacionada à previdência e ao aumento salarial de professores e funcionários;

-Um indicativo ao Fórum das Seis de aumento de 100 reais fixos nos salários de professores e funcionários, sem a perda da mobilização.


Greve!
Os professores, os funcionários e os estudantes CONTINUAM EM GREVE! A Assembléia Unificada, que é legítima e reconhecida pelos diretores das três faculdades da Unesp de Bauru como único órgão representativo da vontade das três categorias, votou pela manutenção da greve. Portanto, os e-mails que alguns professores enviaram a seus alunos com a informação de que haverá aula na quarta-feira, dia 13 de junho, NÃO TÊM VALIDADE.

AMANHÃ NÃO HAVERÁ AULA! CONTINUAMOS EM GREVE!

Assembléia dos Estudantes do dia 11/06

Discussões da Assembléia dos Estudantes:

- Os estudantes não reconhecem a deliberação de saída da greve por parte da Associação, visto que eles não são sindicalizados, portanto, perante à lei, não têm poder deliberativo para discutir a retirada da greve. É consenso que a Assembléia Unificada de hoje (12/06) irá representar o real posicionamento dos docentes da Unesp de Bauru.

-Os diretores da FEB, FC e FAAC reconhecem que há uma grande possibilidade da moradia realmente ser construída, caso tenhamos o indicativo do reitor (que foi conseguido na carta que ele assinou).


Foi deliberado:

-Panfletagem na porta da Unesp no dia 13 de junho seguida de atos em defesa da greve (impedir a entrada de carros no campus, retirada das cadeiras da sala de aula);
-Realização de um grupo de discussão no mesmo dia sobre os motivos de estarmos em greve;
-O nome dos representantes de Bauru na reunião das Estaduais Paulistas, dia 16.

NÃO FOI SEQUER COGITADA A POSSIBILIDADE DE SAIRMOS DA GREVE, PORTANTO, A GREVE DE ESTUDANTES CONTINUA!

A Assembléia da Associação de Docentes da Unesp de Bauru, não sindicalizada

Reunidos em Assembléia nesta segunda-feira, 11 de junho, cerca de 30 docentes reconheceram a importância da ocupação da USP no recuo do governo Serra em relação aos Decretos iniciais e consideraram a publicação dos Decretos Declaratórios uma vitória do movimento.

Quanto à autonomia universitária, os docentes chegaram à conclusão que a mesma está assegurada e, por isso, o Decreto Declaratório contempla a questão.

Em relação ao SPPREV, os docentes deixaram claro que já se sentem contemplados com as alterações propostas nas emendas ao projeto inicial (entenda mais sobre isso clicando aqui) .

A reivindicação salarial inicial, proposta pelo Fórum das Seis, de 3,37% + 200,00 fixos foi um ponto polêmico, pois os R$ 200,00 beneficiariam aqueles com menor salário (leia-se funcionários), uma vez que os 3,37% ao serem inclusos na folha de pagamento tem descontado alguns encargos, como o IAMSPE (Instituto de Assistência Médica ao servidor Público Estadual). Sendo assim, o aumento de 3,37% na folha de pagamento de quem ganha, por exemplo, R$ 1000,00 é mínimo, representando apenas R$ 33,70 de aumento. Os docentes, em Assembléia, alegaram medo de que essa proposta, se aprovada na íntegra, causaria uma diferenciação nas categorias e propuseram como providência a formulação dos planos de carreira dos funcionários.

Inconstitucional!

No fim da reunião, ficou deliberado o fim da greve e continuidade do movimento. MAS, como consta na CONSTITUIÇÃO FEDERAL, Art. 8º, III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas. Ou seja, a Associação, por ser desvinculada do Sindicato Central (Adunesp Central), não tem legitimidade para decidir sobre o fim da greve.

Em reunião com o Comando de Greve, formado por funcionários, estudantes e docentes, os diretores da FEB, FAAC e FC afirmaram não reconhecer a Assembléia da Associação como legítima, mas reconheceram, veementemente, a autoridade do Comando de Greve, uma vez que em Assembléia legítima ele foi firmado.

ASSIM, A ASSEMBLÉIA QUE REALMENTE VALIDA A CONTINUIDADE OU NÃO DA GREVE ACONTECE HOJE, TERÇA-FEIRA (12/06/2007), ÀS 14H, NA CENTRAL DE SALAS.

FUNCIONÁRIOS, DOCENTES E ESTUDANTES EM ASSEMBLÉIA CONJUNTA E LEGÍTIMA!

Saiba mais sobre o artigo mencionado da Constituição Federal.