segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Socialismo do Século XXI

O painel com o tema "Socialimo do Século XXI", uma das atividades mais esperadas do CEUF, teve início às 21h do sábado, dia 29. Os debatedores presentes foram Ricardo Festi, mestrando em Sociologia pela Unicamp e militante da LER-QI (Liga Estratégica Revolucionária Quarta Internacional); e Caio Dezorzi, ator, professor, arte-educador, formado em Artes, ex-membro do DCE da Unesp e militante da corrente "Esquerda Marxista" do PT (Partido dos Trabalhadores). O mediador foi o professor do Departamento de Ciências Humanas da Unesp Bauru, Maximiliano Vicente.

O painel começou com o militante do PT fazendo diversas críticas ao governo de Hugo Chávez, considerando que o venezualeano é "um pequeno burguês nacionalista". Mesmo assim, Dezorzi acredita que há um processo revolucionário no país. "A Venezuela é um Estado burguês onde a burguesia não domina. Apesar de tudo é um governo revolucionário". Caio ainda apontou projetos do governo Chávez como reforma agrária, fechamento do canal RCTV como pontos revolucionário do governo. Para o petista, apenas parte da burguesia venezuelana se beneficia com Chávez.

Ricardo Festi defendeu o argumento de que Chávez é tão burguês quanto vários governos conhecidos (Perón, Vargas, etc), além de ser populista. Para o militante da LER-QI, o venezuelano organiza medidas que enganam os esquerdistas no mundo inteiro, pois quem realmente se beneficia do grande aumento econômico que ocorre no país é a burguesia. Festi também falou sobre a repressão que alguns trabalhadores de fábricas sofreram da Tropa Nacional de Chávez. Além de dizer que as nacionalizações são uma falácia, pois o número delas com relação ao tempo de mandato de Chávez é irrisório.

Perguntas
As perguntas da platéia acabaram sendo dominadas por estudantes partidários (o que tornava a pergunta um discurso político). Depois de um tempo, alguns independentes se manifestaram contra essas perguntas que serviam para demarcar posições partidárias.

As questões mais centrais do debate com a platéria foram: "o que fazer com o petróleo?" e "combater Chávez não seria se aliar à direita?".
Dezorzi afirmou que o petróleo tem que ser vendido para que o povo se beneficie e sim, combater Chávez neste momento é se aliar à direita.
Festi disse que o petróleo deve ser substituído e que ele só enriquece os ricos na Venezuela. Como Chávez é membro da burguesia e trabalha para ela, ele deve sim ser combatido.

Sem dúvidas, o debate serviu para os estudantes compreenderem melhor a conjuntura internacional.

2 comentários:

J.Silva disse...

Chavez owns.

Nati disse...

Não foi bem isso que eu entendi sobre o que o Festi disse em relação ao petróleo...
Ele disse que a venda do petróleo beneficia apenas a burguesia, incluindo ai grandes empresas como Shell.
E que apesar de haver mil coisas a serem avaliadas em relação ao petróleo (inlcuindo ai a questão ambiental), o fundamental é que se é pra explorar o petróleo, os trabalhadores é que deviam lucrar com isso. Ou seja, que se venda petróleo, mas que isso seja feito através de empresas de controle operário. Ou seja, se o processo vivido na Venezuela fosse realmente revolucionário, situações como as fábricas ocupadas seriam incentivadas, inclusive na exploração do petróleo, e o que se vê é o oposto: repressão aos trabalhadores e regulamentação de greve.