quarta-feira, 13 de junho de 2007

Quem é baderneiro?

Conforme deliberado em assembléia ontem (12/06), a greve continua, pelo menos até a próxima terça, dia 19, quando ocorrerá uma nova Assembléia que avaliará a mobilização e deliberará pela manutenção ou não da greve. Alguns professores da associação dos docentes da Unesp de Bauru soltaram um boato de que as aulas voltariam hoje. Qualquer pessoa que esteve no campus hoje pela manhã pôde evidenciar que isso não passou de um boato, apenas um professor de engenharia quis dar aula. Até agora este foi o único caso de violação da deliberação do fórum, que é reconhecido por lei e pelos diretores. Mesmo sendo, aparentemente, um caso isolado, tal atitude sugere alguns questionamentos: não estariam os professores que espalharam o boato tentando fazer de seus alunos massa de manobra a favor de seus interesses? Essa dúvida paira sobre as nossas cabeças, pois a maioria dos alunos que estão sedentos por aula não leu os decretos. Outro questionamento proveniente da atitude dos professores que espalharam o boato, é: quem de fato é baderneiro? Quem envia um comunicado enganoso pela web, causando confusão entre os estudantes, ou quem estava em frente a universidade para esclarecer as pessoas sobre o que estava se passando?

É importante lembrar que não houve cadeiraço. Nenhum carro foi impedido de entrar no campus. A mobilização de hoje contou com alunos, funcionários e professores das três faculdades do campus (FAAC, FC e FEB). Alguns alunos que foram até a universidade querendo aula acabaram aderindo ao movimento.

Reforçamos que estamos em greve até a revogação dos decretos.

7 comentários:

Bruno Espinoza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno Espinoza disse...

Parabéns pela sobriedade e organização do movimento.

Devo confessar que muito, muito me adimira, positivamente é claro, ver pessoas desconhecidas ao lado de velhos amigos, em debate, em construção. Sei que, ao lado de muitos que aí estão na permanência desta luta, quebrei a cara lá por volta de 2004, com os partidos, a militância profissional e a panfletagem burocrática.

Muitos dos que quebraram a cara comigo não abaixaram as suas cabeças, continuaram firmes.
A luta, essa mobilização unificada e madura, sei que não nasceu de ontem para hoje, da noite para o dia. O movimento em Bauru não é obra do acaso, assim como as predisposições para as atuais negociações não são.

E é por saber disso que acredito cada vez mais na validade das deliberações e direções deste movimento.
Vcs não desistiram de empenhar um movimento sem as mordaças do partidarismo, tampouco sem a contestação necessária para todos aqueles que constróem, todos os dias, o ensino público tal como ele DEVE ser: laico, com qualidade e responsabilidade social.

Eu desisti de muita coisa, INCLUSIVE DAS LUTAS QUE VCS NUNCA RENUNCIARAM.
Por isso, é preciso dizer, muito me felicita saber que os que não desistiram me provaram e provam, sobretudo nestes dias, que aquela "cara quebrada" lá atrás não feriu em nada as suas convicções mais necessárias à defesa da educação. Eu quebrei a cara e desisti, vcs não. Ainda bem.

A todos, indiscriminadamente, os meus parabéns!

Contra A disse...

Que bom que vocês não partiram para a
solução descabida que cogitaram.

Espero que reflitam bastante antes de partir para tal solução, no futuro.

chalasa_ disse...

Orra cara, esse negocio não ta certo, tenho 2 professores que estão querendo dar aula. Será que eles podem fazer isso e nos dar falta?
Os professores não são obrigados a acatar a decisão da assembleia?
Eu não quero ir, mas apesar deu querer mandar um e-mail para os professores e para os colegas de classe, por eu não ter o e-mail deles e o professor estar mandando e-mail por e-mail, onde é vetado os outros e-mails para o qual ele mandou. Não posso fazer nada, gostaria de nao poder ir, mas temo acabar cedendo.

chalasa_ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Turollo disse...

E ae, Chalasa?
Se quiser, sem se identificar, envia pro meu email o nome do professor, o dia da aula e a sala onde ele marcou a aula para que o comando de greve converse com ele.
Não, ele não pode marcar falta.

Pode enviar pro meu email pessoal (sem identificação sua) que eu pessoalmente levo pro comando de greve.
Valeu pela compreensão e venha participar da discussão essa semana com a gente. A gente tá conseguindo avançar de verdade.

turollo@uol.com.br

Celso disse...

Apenas gostaria de fazer uma correção no texto: o professor que quis dar aula, e cujo nome não me recordo agora, não era de engenharia, e sim do Depto, de Física, a turma sim era de Engenharia (no caso, Elétrica 2º ano) e a disciplina, Física III.

Abraços a todos.

Celso S de Freitas
Segundo Secretário do DAFAE
Membro do Comando de Greve Unificado