sexta-feira, 29 de junho de 2007

Bauru na reunião do Comando de Greve Estadual

Ontem, dia 28 de junho, o comando de greve estadual se reuniu na cidade de Araraquara para discutir os movimentos de greve nas estaduais paulistas e os balanços que cada campus das três universidades fez.

Dois carros e uma van saíram de Bauru no início da manhã de ontem para participar do comando. Segundo os estudantes da Unesp de Bauru que participaram da reunião, o encontro foi importante para saber as peculiaridades de cada campus, tanto no aspecto de contrução da greve, como nas necessidades estruturais.

Ato

Depois disso, foi discutido e votado um ato na Rodovia Washington Luis. As cerca de 130 pessoas presentes fizeram uma passeata pelas ruas da cidade, até chegarem na avenida, uma das mais importantes de Araraquara. Houve um impasse: alguns manifestantes queriam ficar na praça ao lado da avenida para dialogar com a população e outra parte queria parar o trânsito da via (de pouco em pouco tempo). Resultado: dois grupos se dividiram e fizeram as duas coisas.

Os integrantes da Unesp de Bauru ressaltaram a importância da reunião e do ato para a união do movimento estudantil em nível estadual.

4 comentários:

Alisson disse...

Esse relato é falso. A washinton Luis é uma Rodovia enorme (que liga cidades), e não uma avenida da cidade. O impasse não se deu no meio do ato, enquanto os manifestantes estavam se aproximando da washinton Luis, o impasse apareceu pq foi colocado pelo grupo que sempre deslegitimou o comando estadual (pstu). Foi colocado depois do pstu ter perdido a votação duas vezes no comando estadual (que organiza 2500 estudantes). Como sempre, contra qualquer tipo de atividade radical, qualquer tipo de atividade que tenha repercussão e que dê ao ME um caráter político determinado, o pstu em manobra (e se valendo de terrorismo e do senso-comum) conseguiu organizar uma plenária "mais legítima" que o comando e, lá, conseguiu aprovar um ato até o centro da cidade (minuscula) de Araraquara, que acabou morrendo numa praça vazia (até a dispersão total de todos os estudantes). Tudo isso sem uma única viatura de polícia pelo caminho, que eles diziam que iria nos reprimir durante todo o ato.

[Rafael Padial]

Alisson disse...

Só quem tem email do gmail pode postar?

Alisson disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alisson disse...

Acho que vale lembrar que, no comando de greve estadual, a votação quanto à parar a rodovia ganhou e, consequentemente, foi montada uma comissão de segurança - onde, do nada, pessoas que acabavam de chegar diziam que a polícia já estava sabendo do ato, o que gerou discussão e (lembrando que a votação era concernente a parar a rodovia mesmo que aparecesse polícia, possível 'ato de 5 minutos') acabou gerando uma plenária através da articulação das pessoas de 'informações novas' e entusiastas das mesmas. Uma pena que na plenária haviam muitas pessoas que não eram delegadas, nem um pouco pautadas na base, que pareciam não ter comparecido a uma discussão prévia sequer visto o 'senso-comum' de muitas falas. O resultado restante, passeata pelas ruas de Araraquara, me pareceu evidenciar que seria bem mais produtivo se o próprio campus se articulasse para concretizar a mesma. Nossa união me pareceu 'precisamos do estado inteiro para fazer uma passeata em Araraquara'. Tudo longe de ser uma avaliação pessimista quanto às bases, só para com pseudo vanguardas - mais iluministas que dialéticas. O momento histórico pede por um movimento vivaz (e por um espaço que dê para colocar mais de um parágrafo, que não sei me articular num só ahuahuhua)