quinta-feira, 21 de junho de 2007

Flash-mob estadual contra os decretos

Hoje, dia 21 de junho, ocorreu um flash-mob contra os decretos do governador Serra em cidades do Estado de São Paulo que possuem campi das Universidades Estaduais Paulistas (USP, Unesp, Unicamp e FATEC). A manifestação teve o intuito de chamar atenção para a causa dos estudantes de uma forma rápida, efetiva e abrangente. Mais detalhes em www.contraosdecretos.cjb.net.

Em Bauru, cerca de 120 estudantes participaram do ato, que consistia em paralisar o trânsito das principais ruas da cidade por 5 minutos (das 12h às 12h05). As ruas/cruzamentos em que houve manifestações foram:

-Avenida Duque de Caxias / Rua Saint Martin
-Avenida Rodrugues Alves / Rua Antônio Alves
-Rua Primeiro de Agosto
-Rua Treze de Maio

O flash-mob ocorreu com sucesso na cidade. Após o ato, os estudantes organizaram uma manifestação que percorreu o calçadão da rua Batista de Carvalho, panfletando e gritando palavras de ordem contra os decretos do governador, contra a repressão sofrida pelos alunos da Unesp de Araraquara e chamando a população para participar do evento.

A idéia do evento surgiu de alunos da Unicamp, mas veio de encontro às medidas que integrantes do movimento Greve Não É Férias, da Unesp Bauru, vinham realizando desde o início da greve, como a organização de panfletagens e peças de teatro no centro da cidade.

Confira o vídeo do flash-mob no cruzamento da Avenida Duque de Caxias com a Rua Saint Martin:


35 comentários:

Greve Não É Férias disse...

Devido à falta de educação de alguns não-grevistas e grevistas, os comentários, a partir de agora serão moderados.

Maria Fernanda disse...

Nossa, ate q enfim... Parabens!

Emily disse...

Esse protesto foi um dos melhores de Bauru do ME. Primeira vez que um flash mob funciona!

Ana Bia disse...

sou aluna da feb, e sinceramente naum kero q a greve acabe pq pelo visto todos jah eskceram q a briga é por ru e moradia e naum por falta de aula e perca d provas... eskceram o motivo... isso jah estava previsto, é triste e a greve pelo visto vai acabar dia 26 e foi td em vão isso pq os alunos da unicamp estao peitando a policia e até sendo preso (naum chega nem perto d nós q só perdemos aula).... só acho q se for pra ficar nessa briga interna q acabe logo essa greve pq kero aula, ou una-mos e protestamos o péssimo governador q temos e nossos direitos

Julia disse...

Sobre a moderação dos comentários: não me agrada, mas infelizmente concordo com a medida dos organizadores do blog, foi uma ação necessária pois realmente tem gente que não sabe conversar. Uma pena.

Sobre o flash-mob: essa é uma forma de protesto que eu gostei. Chama muito mais a atenção da sociedade e da imprensa do que a greve e não causa grandes danos a ninguém (duvido que cinco minutos de paralisação do trânsito causou algo mais grave do que um pouco de stress em alguns dos motoristas que passavam pelo local).

Thiago disse...

Ou seja, vcs vão reprimir os comentarios....

Como que vcs falam?? "não, não, não a repressao????

soh vao publicar o que lhe agradar...

Thiago disse...

Pq entao nao ter aula, e fazer paralisaçoes para protestar??? nao precisa fazer greve....

soh atrapalha a vida de quem quer estudar....quem vai pra rua paralizar o transito nao vai perder nada mesmo..

Thiago disse...

10 pessoas de cada lado parando o transito??? nosso cade a uniao das tres faculdades??? cada a unificação com professores e funcionarios....


hauhau

se for pra fazer isso nao compensa parar meu....

euodeioafaac disse...

turollo,

poderia informar se na assembleia de terca feira vai ser discutido se a greve continua ou nao????
ja que a ana bia disse que a greve pode acabar na terca!
pq pelo que eu ouvi na ultima assembleia, nao sera colocado nem em votacao se a greve continua ou nao dia 26/06..

valeu!

Alberto disse...

Havia 120 estudantes da Unesp nas ruas de Bauru hoje. Eles se dividiram em 4 ruas, portanto, havia cerca de 30 estudantes por rua.

Esse foi um ato ESTUDANTIL, por isso não havia professores e funcionários.

O ato foi válido, deu certo, funcionou no estado inteiro e teve repercussão. Chamou atenção da população para a causa estudantil.

A.Cerri disse...

Como em toda assembléia,uma proposta de volta às aulas pode acontecer, mesmo não estando marcada.

Turollo disse...

Trecho retirado do blog da Ocupacao da USP. Acho que a situacao de repressao mantida por este governo e' algo que deve suscitar mais debates teoricos.



Hoje aqui na USP, cerca de 300 estudantes e funcionários organizaram uma passeata em solidariedade aos estudantes da UNESP presos pela tropa de choque há dois dias. Em plenária a maioria decidiu que a manifestação seguiria pelo entorno da USP, voltando em seguida para o prédio da História onde professores realizavam outro ato contra a repressão aos estudantes da UNESP. Nossa surpresa foi que ainda dentro da USP, antes da rotatória do Portão 1, cerca de 30 PMs da tática fechavam a rua, impedindo nossa passagem. Contra os escudos, a manifestação seguiu empunhando uma faixa com os seguintes dizeres: USP – UNESP – UNICAMP: FORA PM! Frente à absurda situação de impedir que os estudantes e funcionários saíssem da USP, a tropa abriu caminho para nossa passagem. A manifestação seguiu pela Alvarenga, Vital Brasil e depois voltou para a USP. Quando passávamos em frente à rotatória do CEPÊ (centro de práticas esportivas), novamente a PM apareceu, dessa vez, em duas viaturas e várias motos. Quando percebemos a PM, a manifestação parou e, em coro, exigimos que a PM saísse do campus. Eles responderam com gás pimenta e ameaçando jogar as viaturas e as motos sobre os manifestantes. Mas os manifestantes resistiram e uma a uma as motos foram recuando sob duras vaias. Após mais esse tumulto causado pela PM, a manifestação seguiu pacificamente.


O propósito dessa manifestação era denunciar o avanço da repressão nas universidades, em especial, a ação da PM na desocupação da diretoria da UNESP de Araraquara. Por duas vezes, dentro do campus, a PM impediu que a manifestação seguisse; primeiro de sair e depois de voltar! Será essa a nova forma de negociação da Reitora? Quem chamou e quem permitiu que a PM entrasse com motos, cacetetes, escudos e gás pimenta no campus para calar estudantes e funcionários? Sob que pretexto? Causar um embate e vilanizar o nosso direito de livre manifestação?


Força à luta dos estudantes de todo o Brasil!

Solidariedade aos ocupantes da UNESP!

Loreta disse...

Ana Bia, vc disse uma verdade: seria mto triste acabar a greve agora, justamente pq ficaríamos c/ a sensação de q as semanas q paramos não valeu em quase nada. Portanto, torço p/ q todos os alunos favoráveis à greve estejam na próxima assembléia, p/ lutarmos por uma educação melhor e não voltarmos às aulas de mãos vazias. Parabéns pelo protesto, vi o vídeo, claro q a Jubão e o Gabriel estavam lá, gente boa p/ caramba, sempre preocupados c/ uma Unesp melhor. Parabéns à todos q participaram do flash-mob em Bauru, e tbm nas outras cidades.

Thiago disse...

Ah sim....5 mil alunos na unesp, 120 protestando. realmente esta bem unificada...vou ser feliz o dia que as faculdades de bauru forem autonomas, coisas que vcs tanto brigam com o governo neh? gozado...vcs nao param de falar em autonomia, mas qdo os alunos de uma faculdade que nao sao a de vcs querem autnomia para voltarem a aula vcs falam que tem que ser unificado e tudo mais...
na boa, nao quero brigar com ninguem, mas vcs tem que perceber que quem esta perdendo nessa greve são vcs do movimento estudantil.
A FEB que vcs tanto odeiam tem muitos alunos, todos poderiam participar com vcs de varios atos, se fossem bem organizado...(como aquele cuja ideia era parar a rodovia, na qual eu participei e vi o cara da dadica e do dacel darem pra tras qdo chegou os primieros policiais).
Pórem, este movimento de vcs acaba de cancelar qualquer ajuda e apoio dos estudantes de engenharaia...
Não vai fazer falta??? pode ate ser, ate prefiro pq ai vcs nos deixam em paz...

kate disse...

moderaram os comentários? HAHAHAHAHA, que bela democracia...

Thiago disse...

soh uma questao agora: pq o nome do protesto de hoje foi em ingles???

Turollo disse...

Respondendo às questões acima:

- não sou moderador do blog, mas sei que todos os comentários estão sendo publicados, a menos que contenham palavras como filho da puta, fedido, punheteiro, lazarento e essas coisas que algumas pessoas que não sabem fazer o debate político dizem neste fórum.

- o tipo de mobilização rápida, onde pessoas se encontram, intervêm no espaço e vão embora se chama flash mob. Não foi inventado no Brasil. Pelos informes que tenho, foi a primeira vez que o movimento estudantil fez uso dessa ferramenta de forma organizada em todo o Estado.

Valeu!

Contra A disse...

Deveria mesmo suscitar um debate teórico.

Eu inicio e finalizo minha argumentação com esta imagem símbolo:

http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/foto/0,,11007357-EX,00.jpg

E aproveito para protestar contra a moderação dos comentários.

Ivan disse...

Tenho acompanhado a greve desde o seu início e agora estou com uma dúvida: quais são as reivindicações do movimento para qua a greve seja suspensa, o que vcs exigem para que aprovem o fim da greve?
Parabéns pelo blog e obrigado.
Obs: fiquei sabendo que o curso de física está tem aula, isso é verdade ou apenas boato?
Abraços

Comissão de Comunicação/ Imprensa disse...

Que bonito, que alegria, que beleza!

Isso aí, galera!

Não vamos deixar a peteca cair!

O clima em Araraquara é tenso, mas continuamos!

Gabriel Ruiz disse...

Thiago,

não dá mais pra acreditar que não exista richas entre as faculdades (embora nós lutemos tanto pra que isso, no mínimo, diminua - e eu sou uma dessas pessoas). Na última assembléia a divisão foi clara. E não adiantava ninguém ir ao microfone e tentar explicar o que estava acontecendo porque as posições já estavam definidas desde o início.

E raríssimas vezes houve apoio da FEB nos movimentos todos, só quando interessa diretamente os professores dessa faculdade. Rola até piadas com quem é de eng. e vota a favor de greve etc. Então, fazemos com quem está consciente do que está rolando e tem a noção de que se não fizermos isso agora, uma hora acaba. Porque alguém precisa se preocupar com essas causas e dar o exemplo. E ainda enfrentar um monte de inimigos, o que é normal. Mas que vcs possam manifestar seus interesses na próxima assembléia no microfone, pra não ficar jogo de um lado só.

Essa luta começou agora, mas devia ter começado muito antes (por ex. quando o Alckmin vetou o repasse de verbas para a Unesp, refente ao ICMS que já tinha sido aprovado na Cãmara), entretanto foi só agora que o mov. estudantil em TODO o estado ganhou notoriedade e força. As coisas não acontecem duma hora pra outra. Trata-se de uma política que vem sendo construída há mais de 10 anos. Aí, tem gente que consegue enxergar e outras que ficam com o véu nos olhos...

Turollo disse...

do contra,
eu pessoalmente achei essa foto linda.
Como alguém que já fez aulas de fotojornalismo, sei que ela não significa nada, pq com o ângulo e com a descontextualização do momento em que a imagem foi captada a gente (jornalista) consegue sugerir coisas incríveis.

É um insulto à inteligência achar que a polícia tem que se defender dos estudantes, como sugere o G1.
Pois é, não há outro jeito: decididamente, cada um acredita no que quer. Todos nós. E eu tenho uma opção clara da qual me orgulho muito.

Thiago disse...

REalmente..grande avanço do movimento...o que vcs vao fazer agora? sohw no campus com quem? filminho na sala 54? bazar? bingo? roba monte?

nem criatividde pra dar o nome a um movimento vcs tem...tem que copiar...

realmente....

quanto a rixa de faculdade, eu nao tinha ate a ultima assembleia...mas a baixinha de blusa azul conseguiu fazer eu ter raiva sim....agora nada vai me fazer mudar de ideia....

Eu nao faço desenho e na minha sala nao tem sofá...não sentamos em roda...

Nao participamos mais efetivamente de movimento pq nao temos tempo, temos um curso integral que toma todos nosso tempo....traduzindo, estudamos..

quanto ao "estudante" da engenharia que esta apoiando vcs, ele ainda esta no segundo ano...deixa ele ir mais pra frente e pegar dps pra ver ser vcs vao ver a cara dele....espera ele estar no 7 ano de faculdade pra ver ser ele vai apoiar greve...

Vcs nao conseguiram nada com a greve, e nao vao consegiur....

minha irma participou a alguns anos atras do movimento nde as pessoas dormiram no campus ate conseguirim a aprovação da moradia....e onde ela esta...vcs cnsegiram a mesma coisa que conseguiram a 5 anos atras...vcs tao progredindo?? acho q nao...

Eu soh quero uma coisa agora....autonomia entre as faculdades....como em todos os lugares....

gazaga disse...

NAO NAO NAO A REPRESSAO
NAO NAO NAO A REPRESSAO!!!

QUE MARAVAILHA AGORA VOCES MODERAM O BLOG!! PRA QUEM EM GREVES ANTERIORES FECHARAM OS PORTOES E MANDAVA TOMAR NO CU QUEM PASSAVA POR ELES....AGORA NAO POSSO XINGAR MAIS?????NAO POSSO EXPRESSAR MINHA RAIVA COM RELACAO AOS QUE FAZEM BADERNA????

NAO NAO NAO A REPRESSAO!!
QUE LINDA FRASE NAO???
DESDE QUE SEJA A SEUS FAVORES NE??

PARABENS PELO MOVIMENTO, VOCES FIZERAM UM MOVIMENTO INCRIVEL, A VIOTIRA DE VOCES NA ASSEMBLEIA FOI REALMENTE EXPRESSIVA.....3000 ALUNOS DA UNESP FORAM ATE AS RUAS....VOCES NAO RECLAMAM DO ESTADAO FALANDO QUE ELE POE NOTICIAS ERRADAS???
TA AE ESSA É A MINHA OPINIAO IRONICA AO MOVIMENTO DE VOCES!!!
PARABENS A TODOS VOCES!
EU VOTO PRA ESSA GREVE CONTINUAR ATE ANO QUE VEM! ENQUANTO NAO CONSTRUIREM O RU E MORADIA!
PORQUE ASSINAR UM PAPEL ESCRITO POR UM BANDO DE ESTUDANTES, O REITOR E SE ENSINAR UM MACACO ELE ASSINA.....AGORA QUERO VER QDO O DINHEIRO CAIR NA CONTA PRA COMECAR AS CONSTRUCOES!NUNCA ISSO VAI ACONTECER!!!!

PARABENS PELO MOVIMENTO ESTA REALMENTE INCRIVEL

SO ASSIM PRA MEU COMENTARIO SAIR PRA TODOS LER!!!!

Giovanni disse...

Havia inúmeros estudantes de Engenharia participando da manifestação de ontem, inclusive pessoas que votaram contra a Greve na última assembléia. Não estamos nos dividindo, estamos nos juntando cada vez mais.
Pra quem disse que os caras do DADICA e do DACEL foram os primeiros a recuar quando da manifestação contra o veto do Alckmin em 2005, em que foi proposta a paralisação da Rodovia Marechal Rondon, só gostaria de esclarecer que, naquele momento, tínhamos a companhia de mais de 10 viaturas da polícia que, em momento algum, apoiaria a nossa passeata ser feita na estrada. Eles deram alguma condições, e nós exigimos outras. Infelizmente, muitas vezes, é preciso ter bom senso para chegar a um acordo. E eles não iriam nos escoltar para que paralisássemos a via dessa maneira. Tudo se negocia, e, se você quer fazer o que foi decidido e pronto, sempre há retaliação por parte dos policiais. Será que ficou claro. O que conseguimos teve grande repercussão e mostramos o caráter do movimento. É muito fácil votar numa assembléia uma deliberação e depois jogar nas costas do Movimento que ele resolva os problemas e prepare todo o ato. Naquele dia, muitas pessoas participaram da preparação com cartazes, instrumentos de percussão, boa vontade, entre outras coisas, mas quem propôs o que deveríamos ter feito não avaliou como conseguir tal coisa sem uma infra-estrutura e planejamento adequados. Sou totalmente favorável a esse tipo de manifestação, desde que não seja com oba-oba, como muitas pessoas, infelizmente, fizeram.
Durante essa greve, se fazemos bazar, show, grupos de discussão e manifestações, é porque acreditamos que o movimento estudantil tem de ter um espaço cultural e político conciso, que represente os anseios das pessoas que participam.
Se a sua irmã participou naquele momento do Movimento "Eu quero uma casa no Campus", em prol da moradia, assim como alguns estudantes que continuam na Unesp Bauru, saiba que esse foi um grande passo para que hoje tenhamos uma negociação direta com o Reitor para que a mesma comece a ser construída. Não estamos de mãos abanando, temos maneiras de construir nossas reinvidicações e fazer com que elas sejam atendidas. Por isso, nesse momento, estamos evitando ao máximo qualquer tentativa de ocupação do Campus para conseguir essas negociações que sim, vão ajudar o Movimento a continuar forte. Com a greve ou não, devemos reconhecer que a reorganização do movimento e essas negociações contínuas não vão deixar que abandonemos a luta pelas mudanças na Universidade Pública.

Greve Não É Férias disse...

Gazaga,
Você pode comentar o que você quiser, só não pode xingar outras pessoas.

Contra A disse...

Turollo, você faz jornalismo, deve entender bem de como informações são manipuladas.

Sabe que não foi como o G1 noticiou.
Agora, sabe muito bem que não foi como os estudantes noticiaram.

Eu falo o que EU VÍ, pela TV. E não dá pra falsear isso:

Um policial passando de moto, e estudantes gritando "abaixo a repressão", ou coisa semelhante, enquanto davam socos no capacete dele.

Estudantes batendo no carro da polícia. E aí os policiais jogaram spray de pimenta.

E a tão falada foto, aonde o estudante grita com o policial.

Tudo bem que a imprensa faça sensacionalismo; agora, não dá pra ficar ouvindo de vocês que os estudantes são santos, imaculados e não estão tripudiando da situação, porque sim, estão.

Em TODOS os meios de comunicação, o que se passa é que a manifestação foi truculenta por parte dos ESTUDANTES, e não da polícia.

E de qualquer maneira, a ocupação da USP acabou ontem de madrugada.
Aproveitaram as migalhas para sair.
Era a última tentativa da reitora, para não usar a tropa de choque.

Final das contas: Estudantes desgastados,algumas migalhas concedidas (creio que a mais importante seja a conquista da impunidade pelos seus atos). Este foi o saldo.

Aliás, só por motivo de deboche, uma das reivindicações era o aumento do tempo que um aluno tem antes de jubilar o curso...
Parece piada, mas não é.

Agora chega, acabou a baderna lá, pensem bem nos protestos de vocês.

E, é piada de que haviam "inúmeros" engenheiros na manifestação. Se não for exagero, dá pra contar nos dedos quem não era da FAAC naquele protesto isolado.

Tinha um cidadão de óculos escuros e camisa xadrez que beirava a comédia... ví pela TV.

Gabriel Ruiz disse...

Thiago,

não há problemas, vc será só mais um.
Sobre o pensamento derrotista de que não conseguimos nada com a greve, tem este trecho de um texto retirado do blogue da Carol (http://carolf-silva.zip.net/):

"Se derrota é trabalhar por um esclarecimento dos decretos, somos derrotados. Se derrota é tentar debater os problemas da educação brasileira, somos derrotados. Se derrota é tentar e conseguir organizar um movimento para representar a Nossa universidade na luta pela qualidade da Nossa formação, sim, somos derrotados. Se derrota é conseguir manter atividades com freqüência no campus paralisado, somos derrotados. Se derrota é conseguir dos poucos professores que continuaram na greve mais um esforço para trazer outros professores, somos derrotados. Se derrota é conseguir, “pelo menos” um decreto declaratório, somos derrotados. Se derrota é conseguir mobilizar estudantes do país inteiro, somos todos juntos, derrotados em âmbito nacional. Se derrota é conseguir transformar Nossa carta de reivindicações em um documento legal assinado pelo reitor Marcos Macari e fazê-lo se comprometer quanto à construção da moradia estudantil somos derrotados. Se derrota é conseguirmos o respeito da imprensa local [de bauru] e de alguns mestres que reconheceram a organização do movimento estudantil da Unesp, somos derrotados. Se derrota é usar um instrumento legal da democracia como a greve, somos derrotados. Se derrota é trazer à tona, como nunca foi feito, os problemas da Nossa universidade e da Nossa educação através de atos, palestras, assembléias em vários locais do Brasil, além de blogues e outras publicações, somos derrotados."

obg pela ajuda de vcs. Como se diz, democracia é conflito.
forte abraço

Turollo disse...

Bem,
antes, quando lia os comentários inócuos do contra a - porque é do tipo que não constrói e tão pouco destrói -, acreditava que ele era contra as nossas formas de manifestação, e acreditava que seria válido um debate.
Hoje vejo que pessoas como ele e pessoas como eu e meus amigos do movimento estudantil jogamos em lados diferentes dentro da esfera política.
Nós buscamos uma posição que se propõe libertadora, que tenta buscar o esclarecimento, o debate acerca do público, acerca de um sistema excludente que mata ao redor do mundo - porque a conjuntura nacional e internacional na qual estamos inseridos, não por escolha, tem que ser levada em conta - milhões de pessoas que não fazem parte do grupo favorecido pela tirania dessa democracia burguesa.
Amigos como o contra a e seus colegas fazem um debate em torno da manutenção das injustiças, no sentido de cogitar as boas intenções da direita do país com os decretos, no sentido de afirmar que a constituição do Estado tal qual ela é deve ser deve ser objeto de zelo também dos oprimidos.
Diante disso, não vejo a menor possibilidade de pontos convergentes. Partimos de princípios opostos. As falas desses amigos devem ser respeitadas, mas representam o discurso da direita do país.
É o discurso do Antônio Carlos Magalhães, do FHC, dos políticos em geral da dita direita. É o discurso do Mickey, do Bush, do Blair. O discurso da integridade moral e respeito às normas que vêm condenando milhares à exclusão, e que dissimula a realidade histórica de lutas dos oprimidos.

Não pensava isso, mas agora vejo que a discordância desse amigo que vive nos visitando neste espaço não é quanto às formas de mobilização, mas quanto ao conteúdo das nossas análises políticas.
A intenção de desmobilizar é clara quando ele se sente contemplado com aquilo que ele considera derrotas do pensamento de esquerda.
Eu consigo entender seus comentários. Eles são da lógica da direita.
E vêm de alguém que não conhece a dinâmica interna de um movimento social, nunca construiu um coletivo.
Quero com isso dizer que qualquer esforço em estabelecer comigo um canal de comunicação é válido à medida que vou escutar o que tem para falar, mas sei que, por partirmos de princípios opostos, escolhas pessoais opostas - direita e esquerda, como tradicionalmente se diz - não chegaremos a nenhum entendimento.
A escolha de um time pra se jogar parte da realidade objetiva de cada um de nós.

Giovanni disse...

Independente do número, estavam presentes e participaram. Tem a consciência de como fazer suas manifestações.
E ela estava nas edições do Jornal da Record e Globo ao vivo no horário de almoço. Será mesmo que não temos o reconhecimento pelo nosso esforço!?

Thiago disse...

Nossa fiquei comovido!!! vo uate chorar...vou agora mesmo ver o blog da carol...

Sabe o que minha irma conseguiu qdo ocupou o campus? um papel...é um papel dizendo que ia ser construido...ou seja...o papel vcs ja tem..procuraai que vcs acham...


seus pé de breque

Marília Barbosa disse...

vou ser bem sincera agora: sempre concordei com a luta contra os decretos do Serra e tudo mais, principalmente contra a falta de moradia e RU, que acho um absurdo mas confesso que nunca fiz nada. Sempre fui a favor das manifestações mas nao da greve, e agora vcs conseguiram chamar a atenção! parabens pelo flash mob, a ideia foi otima. E olha só, agora nos podemos voltar as aulas e continuar as manifestações desse tipo, eu ate vou participar do movimento agora! Uma vez que eles chamam mais atenção do que própria a greve... aluno fazer greve sempre me pareceu estranho, eu considero um tiro pelo culatra (como ando dizendo por ai, uma faca de dois 'legumes')e para a cidade de Bauru podemos pensar outras coisas, que nao atrapalhe a cidde nem cause estresse na populaçao, afinal de contas, nao somos bem vistos pele maioria, mas mesmo assim, muito legal!!
parabens!

Gabriel Ruiz disse...

Thiago,

que bom! Mostra que vc tem um bom coração.

Plínio disse...

Cara...
Acho MUITO boa a idéia de fazer um flash-mob organizado em várias cidades e tal!!! De verdade!!!
Agora, parar carros em sinal não é uma bom exemplo, né? Eu tinha um compromisso na quarta anoite e não pude comparecer na reunião...
Bom, da próxima vez, é melhor combinar atravessar a rua lentamente com todos de preto ou de branco... Ou algo do tipo que não INTERFIRA no direitos dos outros de ir e vir!!!
Greve não é pensar no nosso umbigo!!! É lutarmos por algo coletivo e útil para a sociedade... me parece que os motoristas não estavam gostando, e com certa razão, né?
Afinal, como a gente quer pedir algum respeito se a gente não mostra que respeitamos?
Enfim, são coisas que eu não queria deixar passar!!!
Abraços pra todos

Contra A disse...

O Plínio conceituou bem a questão:

Passeata no calçadão da Batista? Ótimo! Mídia simpática, povo simpático, aproveita para cooptar aliados e mostrar o lado poético do movimento.

Fechar carros? Péssimo, só ajuda a piorar a imagem do movimento, causa transtornos e volta a mídia contra vocês.

Sabe o que lhes falta? Uma comissão de marketing. Vocês não sabem promover o próprio movimento de vocês.